domingo, agosto 31, 2008

Tenham medo...

Tenham muito MEDO!

O Gorky também vem à Festa?




Gorky Águilla, preso em Cuba quando tentava remar para Miami para vir ao Avante, já foi libertado.



evva

Nélson quê, não! Nélson Évora!!!!


Meninas, não se pode rejeitar assim o produto nacional! Este medalhado mete o outro moçoilo num chinelo de dedo!
Nota: para os nascidos já em finais da década de 80 ou na de 90 um chinelo de dedo é o que hoje, vá-se lá saber porquê, se designa por havaiana!

sábado, agosto 30, 2008

O Inferno recomeça nas próximas semanas

(texto de João Pereira Coutinho, publicado na Única de 30 de Agosto de 2008)*


O mais grave não é apenas permitir que 'alunos' destes continuem no 'sistema'. Grave, grave é obrigar os outros alunos, que estão no Ensino Público (porque não têm outra alternativa ou porque assim escolheram) e que estudam, se dedicam, obtêm bons resultados no meio do maralhal da baixa fasquia de exigência que este tipo de integrações exige, a subsistir num meio que não investe no total aproveitamento e incremento das suas capacidades.

Alguém fora do 'sistema' consegue imaginar a quantidade e a qualidade dos sapos que se engolem em cada ano lectivo? O quanto dói ver alunos com capacidades subaproveitados em turmas problemáticas ou que integram alunos com NEE? Quando folheio os dossiers de testes e fichas de trabalho que acumulei em pouco mais de uma década de docência (eu que tenho a mania de guardar tudo), uma dor ulcerina revolta-me o estômago. Ano após ano, a exigência vai diminuindo e se me atrevesse a aplicar (olhó eduquês de calidade) um teste de avaliação de há cinco anos numa turma com o mesmo nível de hoje em dia o resultado seria um estrondoso desastre demolidor de estatísticas. Porque nos dias de hoje, caríssimos, um professor do Ensino Secundário investe quase exclusivamente nos maus e nos medianos alunos. Os outros, enfim, os outros, se quiserem chegar a algum lado, que leiam umas coisas em casa.

evva

*Retirado daqui.

Nelson... quê?!



Sebrle, Roman Sebrle. O vencedor do Decatlo em Atenas e medalha de prata em Sidney não foi além do sexto lugar em Pequim, mas é um dos meus atletas favoritos. Foi o primeiro a ultrapassar os 9000 pontos no Decatlo, na que é para mim a disciplina mais exigente e mais completa dos Jogos Olímpicos. Mais argumentos aqui.



(clicar nas imagens para aumentar)


evva

Concurso de professores

Se entrarem na página da Direcção Geral dos Recursos Humanos da Educação e escolherem "docentes", depois "recrutamento", "consulta de candidatos" e digitarem o número "1" e clicarem em consultar, podem ler: "Candidato n.0000000001 encontra-se colocado para DACL, grupo 110, escola 999999, Joaninha voa voa, Rua dos pardais esfomeados."

Sónia

(com o meu agradecimento a certo pardal maroto por me deixar cair esta jóia do bico...)

Delicious Lebanese Hommos


The recipe for a delicious Lebanese Hommos


Ingredients

A jar of chickpeas (grao de bico-750 grams), slightly drained
2 large garlic cloves
10 to 12 tablespoons of tahini (pureed sesame or sesame creme)
two fresh lemon
1 tablespoon of olive oil
a small teaspoon of salt


Preparations:

First use a blender (varina magica in Portugal) to grind the chickpeas, the garlic and the tahini. Then add the lemon juice and the olive oil gradually. Mix thoroughly and constantly until a soft texture is achieved.
Serve in a large flat bowl.
P.S: Salt and lemon could be added (when and if needed) so to increase the tartier taste. Paprika, tomates, small red radish are great accompaniments.
Bom apetite

Michel

Operação regresso às aulas?




Não há?  Tanto professor na estrada a atravessar o país para assumir (com sorte...) o seu lugar na nova escola a quilóoooooometros e quilóoooooooometros de casa, depois da saída, ontem à noite, das listas de contratação de professores... E o perigo que é: uma classe que para aguentar o que aguenta depende frequentemente de medicamentos psicotrópicos...

Sónia

sexta-feira, agosto 29, 2008

E esta, hem?


McCain escolhe como candidata à vice-presidência a governadora do Alasca, Sarah Palin. A procissão das eleições americanas ainda vai no adro... E não digo isto com um sorriso nos lábios.

Joana

Regresso ao trabalho II

A saga continua... 


(rever filme aqui)

Sónia

quinta-feira, agosto 28, 2008

the great Lebanese Tabbouleh


The recipe for an exceptionally refreshing Lebanese tabbouleh!



Ingredients:

Half a cup of fine bulgur
Olive oil
A medium-sized bunch (bouquet) of fresh flat-leaf parsley finely chopped
Some freshly chopped fresh mint (Hortela)
A very small white onion (finely chopped too)
3 medium tomatoes (preferably coracao de boi), cut into small pieces
A small fresh lettuce (letucia romana)
One fresh lemon( only the juice is needed)
1/4 of a teaspoon of salt

Preparations:

Carefully chop the lettuce leaves with the parsley after thoroughly washing them under running water. Transfer the chopped lettuce and parsley to a bowl and add to them the chopped onions, the tomatoes and the fresh mint. Cover the mixture with bulgur and add the olive oil and the lemon juice on top of the bulgur. Mix a bit at the end.
Use the remaning leaves of the lettuce as ornament.
Bom apetite

Michel

De volta ao trabalho

Sei que pelo menos três de nós são professores, pelo que vos recomendo a leitura das Regras de Organização para este ano lectivo que está prestes a iniciar-se. Aqui apenas publico as Alterações a estas regras, ou não fosse este Governo viciado em rectificações a recomendações, leis, projectos de lei e decretos leis.... De estranhar seria que eles lançassem cá para fora algo que não necessitasse de uma alteração urgente!!

Manel

Alterações às regras de organização do ano lectivo de 2008/2009

17 de Jul de 2008

A definição de condições para que os professores avaliadores procedam à avaliação dos outros docentes é um dos objectivos das alterações ao despacho relativo à organização do ano lectivo, publicadas no Diário da República.

De acordo com este despacho, a avaliação de desempenho de outros docentes é um dos cargos que se incluíram na componente não lectiva a nível de estabelecimento, segundo determinadas regras.

Assim, para cada avaliador deve considerar-se o critério de uma hora semanal para a avaliação de quatro docentes.

Quando as horas de componente não lectiva de estabelecimento e as horas de redução de que o professor usufruiu não forem suficientes, procede-se à redução da componente lectiva do docente.

Relativamente aos docentes da educação pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, sempre que o número de horas da componente não lectiva de estabelecimento do avaliador fique esgotado pelo número de docentes a avaliar, observam-se os seguintes procedimentos.

Sempre que o docente avaliador tenha mais do que sete docentes a avaliar, pode optar por ficar sem grupo ou turma atribuída.

Nestas circunstâncias, só se o número de professores a avaliar for superior a 21 é que o docente avaliador pode delegar as suas competências de avaliador noutro professor titular do departamento.

Nos casos de delegação de competências de avaliador num professor titular do quadro do agrupamento ou da escola ou num professor nomeado em comissão de serviço, só um dos delegados deve ficar sem grupo ou turma atribuída.

Os professores que, de acordo com estas condições, fiquem sem grupo ou turma exercem as horas correspondentes à componente lectiva não utilizada nas funções de avaliação de desempenho, na coordenação das actividades da componente de apoio à família da educação pré-escolar e no apoio educativo e apoio ao estudo aos alunos do 1.º ciclo.

Aos docentes destes níveis de educação e de ensino que exerçam as funções de avaliador e tenham grupo ou turma atribuído não devem ser distribuídas actividades de apoio ao estudo.

Apoio educativo

O apoio educativo aos alunos dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino secundário deve ser prestado, sempre que possível, pelo professor da respectiva disciplina ou área disciplinar.

Os tempos supervenientes assinalados no horário dos professores, que, conforme o número de aulas leccionadas, oscilam entre os 45 e os 90 minutos por semana, no caso dos docentes com componente lectiva igual ou superior a 14 horas semanais, são destinados a apoio educativo e de enriquecimento e complemento curricular.

Para apoio educativo aos alunos do 1.º ciclo, os agrupamentos podem dispor de um crédito de horas lectivas semanal. Estas horas são atribuídas aos professores existentes na escola sem turma atribuída ou com horários com insuficiência de tempos lectivos ou que exercem as funções de avaliação de outros docentes e não tenham turma atribuída.

Se a componente lectiva dos docentes do agrupamento estiver preenchida e existirem horas disponíveis no crédito de escola, pode proceder-se à contratação de outros professores para apoio educativo.

Componente não lectiva de trabalho individual

Na determinação do número de horas destinado a trabalho individual e à participação em reuniões deve ser tido em conta o número de alunos, de turmas e de níveis atribuídos ao professor, não podendo ser inferior a 8 horas para os docentes da educação pré-escolar e do 1.º ciclo, e para os outros ciclos do ensino básico e ensino secundário 10 horas para os professores com menos de 100 alunos e 11 horas para os docentes com 100 ou mais alunos.

Novas Oportunidades...


Esta é para ti Evva que te vais estrear nestas andanças :)

Manel

Em Verín...













(por greenkayak73 , disponível aqui)

Em Verín, 
há polvo que é bom
e outro que sim.

Sónia

"Are you flirting with me?"



"Natural Born Killers (1994) de Oliver Stone: a próxima aquisição para a minha videoteca pessoal...

Sónia

quarta-feira, agosto 27, 2008

Teatro de Marionetas do Porto


O Teatro de Marionetas do Porto faz este ano 20 anos! Os nossos parabéns por prestarem um serviço excepcional a todos os amantes deste tipo de espectáculo! E para festejarem as suas duas décadas de existência recheadas de sucessos, como a dificuldade em arranjar bilhetes para os seus espectáculos o comprova, decidiram levar de novo a cena alguns dos seus maiores êxitos.
Ora, sabendo de antemão da facilidade com que as suas encenações esgotam lá me fui habituando à ideia que teria que programar a minha vida cultural com alguma (muita...) antecedência e tratar de comprar os bilhetes atempadamente. É precisamente a questão dos bilhetes que me leva a estrear-me por estes "pastos verdejantes".
Após termos arranjado um grupo simpático de amigos para irmos assistir ao Teatro-Jantar Boca de Cena, para o qual eu não consegui entradas nem em Dezembro de 2007 nem em Janeiro de 2008, lá nos decidimos, há uns dois dias, a comprar os respectivos bilhetes para a sessão de Outubro. Não iria perder pela terceira vez a oportunidade de assistir a esta encenação que vários amigos meus enalteceram! Como a companhia anda em digressão este mês de Agosto, os bilhetes não podem ser comprados na sua sede, no Teatro de Belomonte, passando esta função para o Teatro Nacional de S. João. O caricato é que a bilheteira deste teatro se encontra encerrada durante TODA a silly season. Mas esperem, será a estação que é silly ou o facto de a cultura também meter férias?! Teremos todos que estar forçosamente de férias este mês?

Manel

Tonight this record saved my life



Xela, álbum For frosty morning and summer nights
Aqui fica um cheirinho, através da 1ª música do álbum.





andré

O que explica o sucesso de Michael Phelps




andré




andré

terça-feira, agosto 26, 2008

Abaixo-assinado do CPPC

Intitulado "Apelo à paz", o documento é uma iniciativa do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) e está disponível online (aqui). Para além de referências a conflitos que são já uma realidade (Afeganistão, Iraque, Líbano, Palestina...), o texto alerta com especial destaque para a situação do Irão, mais concretamente para a campanha em curso contra o mesmo, observando que é "semelhante à perpetrada" antes da agressão ao Iraque  em 2003. 
Esperemos que a chamada "comunidade internacional" (quem é exactamente e de que é que comunga?) não se volte a enganar, como se enganou então...

Sónia

segunda-feira, agosto 25, 2008

Para Marco Fortes

Oh meu Zeus, meu Zeus, vejam como estou indignado. Estou indignado, indignadíssimo!, com Marco Fortes, atleta português do lançamento do peso. Ao comentar o seu fraco desempenho nos Jogos Olímpicos, Marco Fortes reconheceu que o seu corpo não responde tão bem de manhã: "De manhã é para estar na caminha - eu queria esticar as pernas mas elas só queriam estar na caminha.Oh meu Zeus, meu Zeus, vejam como estou indignado. Estou indignado, indignadíssimo!, com Marco Fortes, atleta português do lançamento do peso. Ao comentar o seu fraco desempenho nos Jogos Olímpicos, Marco Fortes reconheceu que o seu corpo não responde tão bem de manhã: "De manhã é para estar na caminha - eu queria esticar as pernas mas elas só queriam estar na caminha." Que é isto?!

Em toda a minha vida, só ouvi um português dizer que "de manhã não funciono": Sousa Franco. E foi preciso ter sido ministro das Finanças duas vezes, presidente do Tribunal de Contas - um homem sério, portanto -, para poder afrontar esse tabu.
Mas Marco Fortes fez pior: ainda teve o descaramento de sugerir aos outros atletas que valia a pena trabalhar para ir aos Jogos Olímpicos, pela "experiência". O ultraje, o ultraje! Quem se julga este badameco para sugerir que participar num belíssimo evento desportivo, com atletas de todo o mundo, é uma boa experiência? Algum apóstolo do espírito olímpico?
Não sabe ele que o importante é só ganhar, ganhar pela pátria e pelos contribuintes que lhe "deram" uma bolsa, honrar a pátria e os contribuintes, dizer banalidades pela pátria e pelos contribuintes, ter juizinho pela pátria e pelos contribuintes?

Se esteve demasiado distraído enquanto lutava pelos mínimos olímpicos para reparar que neste país toda a gente se levanta cedo, é o melhor das respectivas áreas e vive uma vida de sacrossanto respeito pelo contribuinte, os dias seguintes lho ensinaram, através de um coro escandalizado de comentadores, jornalistas e políticos, que não se pode - não se pode! - fazer humor com coisas sérias e apreciar o desporto e o mundo porque são simplesmente o desporto e o mundo. E se estava demasiado longe para ver toda aquela gente sisuda fazendo tsc-tsc-tsc com os músculos faciais bem espremidos, logo foi recambiado para Lisboa com um bilhete de avião suplementar - que o dinheiro dos contribuintes nunca é demais para dar lições a quem merece.

Pois bem, Marco Fortes, deixa-me tratar-te por tu: espero sinceramente que não consigam vergar-te, moldar-te, ajoelhar-te. Que neste país onde inventaram a lobotomia, não consigam lobotomizar-te: o resultado seria ver-te, como já vi na televisão, pedir desculpa pelas declarações "infelizes". São agora declarações infelizes não culpar o árbitro mas a si mesmo, reagir como se não fosse o fim do mundo e sugerir que estar nos Jogos Olímpicos é, por si só, uma experiência fantástica? Que diz isso sobre nós como país, não desportivamente, mas moralmente?

Como muitos portugueses, dei por mim emocionado com a medalha de ouro de Nélson Évora. Mas deixou-me desconfortável saber que, à mesma hora, não poderias estar ali para festejar com o teu colega. Não pensaram os senhores burocratas que para haver um Nélson Évora houve outros Marco Fortes que participaram nas mesmas provas, e que os Jogos Olímpicos são feitos de muitos não-campeões, e feitos para eles também? Não; tinham de condenar-te a um castigo inútil e sem objectivo que deveria estar reservado para quem faz batota ou recorre ao doping.

Quem te condenou, caro Marco, está já condenado: a uma vida sem humor, a ter de provar que é sério, mais sério do que toda a gente. É uma vida triste e seca. Como atleta, poderias só lhes dar ouvidos quando eles conseguirem chegar aos mínimos olímpicos. Eu sugiro outra opção: só ligar à indignação dos comentadores portugueses, dos jornalistas portugueses, dos portugueses portugueses, quando um dia eles conseguirem não estar sempre indignados por qualquer coisa.

Rui Tavares, na sua coluna de opinião do Público de hoje.



[andré]

Bad jokes...


(de "Prairie Home Companion")
 
Sónia

domingo, agosto 24, 2008

Cardápio para noite do Domingo



Moira assada, açorda de marisco e Prairie Home Companion.

evva e Manel

Sabedoria Olímpica



Do incontornável anterozóide.


evva

"una plata que sabe a oro"



(mais informação aqui)

Enquanto aqui em casa comíamos paella e bebíamos sangría, a selecção espanhola de baloncesto suava para conseguir a medalha de prata. ¡Enhorabuena!

Sónia

sábado, agosto 23, 2008

Noites vermelhas



("Mio Fratello è Figlio Unico", de  Daniele Luchetti; mais informação aqui.)

O som da "Bandiera rossa" debaixo de uma chuva fascista, na mesma noite em que a RTP2 transmite "Palombella Rossa" de Nanni Moretti (1989)! Será presságio? Será que o sol amanhã vai nascer para todos?

Sónia

sexta-feira, agosto 22, 2008

Kimya Dawson



Quem a reconhece dos Moldy Peaches ou da banda sonora de "Juno"?

Sónia

quinta-feira, agosto 21, 2008

Vejam quem vem ao Porto!!!



Juliette Greco na Casa da Música a 14 de Outubro.


Sónia

Comentário

A propósito do plano tecnológico e das recentes notícias sobre o assunto...



Sónia

A propósito da participação Portuguesa nos JO de Pequim - II

Afinal não vai ser assim tão mau. Aliás, em termos de medalhas ganhas, até parece que esta vai ser das melhores participações em Jogos Olímpicos. Rosa Mota, Laurentino Dias (Sec. Estado do Desporto), e todos os portugueses até já têm razões para festejar aos saltos. E tudo por causa de uma simples medalha de ouro. Mas uma grande medalha. Num grande atleta!

A participações dos portugueses nos JO são quase sempre assim. Quando alguém ganha, o que não é frequente, somos os melhores. Quando alguém não ganha, o que é bastante frequente, não merecemos lá estar. Felizmente aparecem cada vez mais análises mais sensatas da nossa participação nos JO. Hoje, na sua coluna no Público, Miguel Gaspar escrevia: “até Obikwelu pediu desculpa pelo dinheiro gasto: mas o atleta a quem se exigia o ouro é pior pago do que um defesa-esquerdo de uma equipa da Liga de Honra de futebol. E 14 milhões é um terço do que custou em média cada estádio do Euro 2008, incluindo o prodigioso elefante branco construído no Algarve, que só abre quando o rei faz anos.” No jornal Record Gustavo Lima, ex-campeão do mundo, ex-vice campeão do mundo, e 4º classificado na competição de Laser (vela) nestes JO lamentava: "somos alvo de críticas e penso que a comunicação social tem um peso forte nisso porque só somos falados de quatro em quatro anos”.

A participação nos JO implica o trabalho de muitos atletas, treinadores, e dirigentes, e muitos deles não fazem (nem podem fazer) do Desporto a sua profissão. Por muito que nos custe, o máximo que a maioria dos atletas da delegação Portuguesa pode aspirar é chegar a uma final. Mais do que isso é, de facto, um acontecimento. Para se ser justo é necessário discutir os resultados em relação aos objectivos de cada atleta, e comparar as condições de preparação que nossos atletas têm em relação aos outros. Se isto nos envergonha ou nos dá muito trabalho, então é melhor pararmos de falar sobre o assunto, e deixarmos os atletas em paz.

andré

NÉL-SON É-VO-RA!!!


Momento final do salto que deu a vitória, imagens da BBC


Nélson Évora, medalha de ouro no salto em comprimento nos JO de Pequim, com a marca de 16,67, a 21 de Agosto de 2008.


andré

OURO!




evva, em lágrimas

Tesourinhos...*


(via Corta-Fitas, que o surripiou aqui)

evva

* Adjectivar de acordo com o grau académico.

Nem todos...

A representação espanhola nos Jogos de Pequim manifesta o seu luto, apesar da resolução do Comité Olímpico (documento que infelizmente não encontrei na página oficial do CO). 
A fundamentação para a negativa com base no precedente da recusa na autorização do luto pelas vítimas do conflito na Ossétia, como tem sido divulgado pelos órgão de comunicação social, parece-me rebatível. A situação tem contornos muito diferentes, e, seja como for, a dor e o luto escapa aos contextos políticos (ou não) em que a morte acontece: o Comité Olímpico, aparentemente, não.

Sónia

Estamos de luto!



20/08/2008: acidente aéreo em Barajas; 153 mortos já confirmados.


Sónia

quarta-feira, agosto 20, 2008

E o dia acabou triste...








Sónia

A propósito da participação Portuguesa nos JO de Pequim

Apesar do enorme estrondo que a participação britânica nos JO tem causado aqui nas ilhas (relatada como a melhor nos últimos 100 anos), as ondas de impacto dos maus resultados da delegação Portuguesa já chegam a todo lado (ontem o Público relatava que as notícias já tinham chegado à agência de noticias France-Press). Vejamos então aquilo que eu tenho visto:

1. Anúncio feito pelo presidente do Comité Olímpico de Portugal, comandante Vicente Moura, de que não se irá recandidatar ao cargo em Dezembro próximo. O mesmo presidente afirmou hoje ao Público que para ganhar as medalhas desejadas nos Jogos Olímpicos é necessária uma revisão de todo o sistema desportivo. A sua decisão de demissão aparece na sequência de uma série de declarações de Vicente Moura em que pede maior profissionalismo aos atletas portugueses, e depois de uma série de declarações de atletas, umas infelizes outras por ventura alvo de má interpretação. A opinião sobre a falta de profissionalismo foi reforçada pela triatleta Vanessa Fernandes (única medalhada portuguesa até agora) mas foi negada pela saltadora Naide Gomes (que apesar de não ter conseguido medalhas continua a ser uma das melhores do mundo na sua especialidade). O secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias, também veio pedir aos atletas para 'competir a sério'.

2. Nas primeiras páginas do Público de hoje pode-se encontrar uma extensa reportagem sobre o assunto,
onde são referidas algumas das situações anteriores. A participação Portuguesa em Pequim custou 14 milhões de euros em quatro anos e em Atenas 2004 custou 12 milhões em três (?!) anos de preparação. Em Atenas o resultados foram duas medalhas de prata, no ciclismo e atletismo, e uma de bronze, também no atletismo. Em Pequim, até agora houve uma medalha de prata. Perante a subida dos custos e a diminuição dos resultados o descontentamento é óbvio. No mesmo jornal, e como cereja em cima do bolo, temos as declarações do professor universitário Santana Castilho na sua coluna de opinião termina perguntando se "um país que cultiva na escola e na polis a falta de rigor e de exigência, tem autoridade para sancionar quem o envergonha no estádio olímpico?"

2. No passado dia 18, no blogue colectividade desportiva, o ex-presidente de Instituto do Desporto de Portugal, José Manuel Constantino, referia com a cautela devida [uma vez que os JO ainda não terminaram] que os objectivos desportivos contratualizados com o Estado — 5 classificações de pódio/medalhas; 12 classificações correspondentes a diplomas (8ºlugar); e dezoito modalidades desportivas presentes nos J.O. — dificilmente serão atingidos.

No meio da novela jornalistica, não se discutiu se os objectivos fixados eram ou não realistas. Para obter 5 medalhas é preciso que nenhum dos candidatos falhe. Ora a probabilidade de erros e falhanços a este nível é muito elevada, ainda para mais quando não existe um conjunto de resultados consistentes por trás. Para a delegação portuguesa, ganhar a medalha ainda é o acontecimento. Para delegações como a dos EUA, China, Grã-Bretanha, perde-las é que é o acontecimento. Não é pelo facto de a Rosa Mota, o Carlos Lopes, ou o Gustavo Lima terem ganho uma vez uma medalha que os restantes atletas, nessa ou nas restantes modalidades, vão passar a ganhar também.
Uma demonstração desta relação de senso comum é o futebol onde já passamos a encarar a vitória não apenas como um desejo mas como uma expectativa. E os resultados estão há vista. Hoje em dia questionar o apuramento para um campeonato da Europa ou do Mundo é quase um insulto, e ambicionar a vitória é quase uma obrigação.

Enfim, este post já está longo. Voltarei ao assunto em breve. É que no meio dos problemas políticos que inevitavelmente rodeiam uma participação olímpica, há muitos atletas (os que se apuraram e os que não se conseguiram apurar), treinadores, dirigentes, e recursos que não podem ser desconsiderados.


andré

Para começar bem o dia

Do Líbano nos chega a nova música Portuguesa...







Sónia

terça-feira, agosto 19, 2008

JANTAR LIBANÊS

BUÁ! Acabei de ser expulsa da cozinha, grrrrr. Parece que no Líbano há um provérbio que diz que mais de três chefes na cozinha dá azar ou coisa e tal. Para desopilar, aproveitei estar num computador com youtube para matar saudades de um dos ídolos da minha juventude de 'once wanna be' ginasta, o pai da Nastia:




O triplo salto no solo de Valeri Liukin (que foi o primeiro a executar), no Campeonato Mundial de Ginástica de 1987


evva

P.S.: o português quase perfeito deste libanês envergonha qualquer um, acreditem.

Uuuuuuiiii... que grande volta!!!

Hoje, os ciclistas da "Volta a Portugal" circularam por S. João da Madeira. "Volta" e "circular" são, neste contexto, termos muito bem escolhidos, já que o concelho conta com inúmeras rotundas dentro dos seus escassos cerca de 8 km "redondos"... Há rotundas para todos os gostos: ovais, triangulares e até redondas... no centro da via e fora dela... Espero que não tenha havido baixas por parte dos ciclistas com estômagos mais sensíveis: é que tanta volta...

Sónia
(uma sanjoanense  - ou sanjoanina... - eternamente crítica)

Hoje há festa!



(Fairouz interpretando "Ya ahl al dar" no filme "Safar Barlik" de Henry Barakat, 1967)

Sónia

segunda-feira, agosto 18, 2008

Falta pouco...

Mais ou menos duas semanas... na Festa do Avante!




Sónia

VA-NE-SSA!!!


Foto Reuters, na reportagem do Público

Vanessa Fernandes, medalha de prata do Triatlo nos Jogos Olímpicos de Pequim, no dia 18 de Agosto de 2008.


andré

domingo, agosto 17, 2008

A 17 de Agosto, 160 anos atrás

“Sahiu á luz a Grammatica Hespanola[sic.] para uso dos Portuguezes, publicada por Nicoláo Antonio Peixoto.
Vende-se nas principaes livrarias do Porto e Lisboa. Preço para os snrs. assignantes 480 réis.
Os Diccionarios Hespanhol-Portuguez e Portuguez-Hespanhol sahirão brevemente.
O Editor roga, por este meio aos snrs. correspondentes das Provincias, a quem teve a honra de remetter prospectos, tenham a bondade de fazer-lhe os pedido com a maior brevidade, dirigindo-se á rua de 23 de Julho n.º 145.”

O Defensor Diário, 17 de Agosto de 1848

Por razões tanto linguística como historicamente motivadas, até ao século XIX, a edição portuguesa de materiais para o estudo do Espanhol é extremamente escassa. Considerando, por um lado, tanto a história como a geografia portuguesas e espanholas e, por outro, que desde o século XVI se assiste na Europa a um fenómeno de expansão na publicação de materiais para o estudo de línguas estrangeiras, este estado de coisas revela uma situação de clara anormalidade na relação dos portugueses com a língua espanhola. Durante os séculos que antecedem a Grammatica editada por Nicolau Peixoto, há em Portugal produção editorial para o estudo de línguas estrangeiras, mas trata-se, contudo, de uma produção orientada fundamentalmente para as línguas dos territórios colonizados ou dos países europeus com os quais se mantêm relações comerciais prioritárias.  A generalidade das explicações que têm sido avançadas para esta situação convergem, por um lado, para circunstâncias linguísticas que alimentariam a noção da suposta inutilidade na aprendizagem da língua espanhola e que residem quer na proximidade linguística, quer no suposto bilinguismo vigente durante o período filipino. Por outro lado, de uma forma geral, os estudos existentes também apontam para um sentimento anticastelhano que não há que dissociar totalmente do anseio de superar a sobreposição linguística que o período de bilinguismo gerou e cuja expressão máxima em Portugal foi a denominada “questão da língua.” Ponce de León (2006) relaciona ainda a carência de grámaticas, léxicos e manuais de Espanhol para portugueses com a incipiência da produção metagramatical e metalexicográfica em Portugal relativa à própria língua portuguesa e a outras línguas vernáculas, quando comparada com o mesmo tipo de produção acerca da língua latina. Também é possível que a ideia sedimentada, tanto no exterior como em Portugal, acerca do estatuto de dialecto do Português relativamente ao Espanhol tenha contribuído para esta situação, como equaciona Maria Filomena Gonçalves (2006).
Se bem que, tal como salienta Ponce de León (2005: 675-676) a língua espanhola não esteja ausente da gramaticografia e lexicografia portuguesas que antecedem a obra em estudo, o recurso ao Espanhol não visa a instrução no mesmo. Mesmo os textos que, durante este período, de algum modo contribuem explicitamente para o dar a conhecer junto do público português assumem-se como contributos isolados e embrionários de uma efectiva tradição didacticográfica. Entre eles, contam-se a Porta de línguas de Amaro de Roboredo (Lisboa 1623), a Prosodia in uocabularium trilingue latinum, lusitanicum et castellanicum de Bento Pereira (Lisboa 1634), e o Diccionario castellano y portuguez de Rafael Bluteau (Lisboa 1721). Neste último trabalho, há que destacar o "Methodo breve, y facil para entender Castellanos la lengua portuguesa", que surge entre os textos preliminares do Diccionario. Outro texto que, não obstante publicado fora de Portugal, não deve ser ignorado, quer pelo seu interesse intrínseco, quer pela semelhança formal e de abordagem com o Methodo de Bluteau, é "Of the Portuguese language or subdialect, &c." do galês James Howell e integrado na sua Spanish Grammar (Londres 1662). Avançando para a produção oitocentista, constatamos que esta também deixa registo do hiato que a antecede, como se vê nas Taboas de Declinação e Conjugação para apprender as Linguas Hespanhola, Italiana e Francesa comparando-as com a Portugueza (Coimbra 1821) de José Vicente Gomes de Moura. 
É, efectivamente, só em meados do século que Nicolau Peixoto rompe com este panorama deficitário editando a Grammatica Hespanhola para uso dos Portuguezes (Porto 1848), que, até à data, parece ser a primeira gramática do Espanhol para o público português, reeditada em Lisboa, em 1858, em versão revista e aumentada, por José Maria Borges da Costa Peixoto, filho de Nicolau Peixoto, e complementada ainda pelo Guia da conversação Hespanhola para uso dos Portuguezes (Lisboa 1860), cuja edição é também da responsabilidade de José Peixoto. A estas obras, há que colocar em hipótese a adição dos Diccionarios Hespanhol-Portuguez e Portuguez-Hespanhol, aos quais, anunciando para breve a sua edição, é feita referência quer na contra-capa do texto de 1848, quer nos anúncios de publicação da Grammatica que se podem encontrar nos números de dezassete, dezoito e dezanove de Agosto de 1848, do Defensor Diario. Da análise destas notícias se conclui que a obra gozou de relativa projecção não só pelo facto de que se encontrou ininterruptamente anunciada durante quatro dias, mas também pela alusão que nas mesmas notícias é feita à divulgação da obra. É igualmente de considerar para suporte desta leitura a referência nestes anúncios (e repetida na contra-capa da primeira edição) acerca do prestígio dos seus locais de venda. Não desconsiderando o facto de que, como observa Ponce de León (2006; 2007: 63), não há conhecimento de que tal dicionário tenha chegado a ser publicado ou mesmo dado por concluído, nem sequer, de ser da autoria de qualquer dos Peixoto, tal, contudo, não parece pôr em causa que, independentemente da consideração ou não dos mesmos entre a obra dos editores em estudo, a articulação e complementaridade entre estas obras apontam para o que Ponce de León (2005: 677; 2006) concebe e designa como um “projecto didáctico” constituído pela Grammatica, o Guia e, eventualmente, os Diccionarios.


Referências

O DEFENSOR Diário (17, 18 e 19 de Agosto de 1848),   Porto, Typographia Commercial.
Gonçalves, Maria Filomena (2006), ''El portugués como dialecto del castellano: historia de una teoría entre los siglos XVII y XVIII'', in Antonio Roldán Pérez, Ricardo Escavy Zamora, Eulalia Hernández Sánchez, José Miguel Hernández Terrés y Mª Isabel López Martínez (eds.), Caminos actuales de la historiografía lingüística. Actas del V Congreso Internacional de la Sociedad Española de Historiografía Lingüística, Múrcia, Universidade de Múrcia, v. 1, pp. 729-741.
Ponce de León, Rogelio (2005), “Textos para la enseñanza-aprendizaje del español en Portugal durante el siglo XIX: una breve historia”, in Actas del XV Congreso Internacional de ASELE, Sevilha, Faculdade de Filologia da Universidade de Sevilha, pp. 675-682.
------------------------------ (2006), "La gramática y el léxico en la enseñanza del español en Portugal durante el siglo XIX", Conferência proferida no Fachbereich Romanistik, Universität Salzburg, 17 de Maio de 2006, Inédita.
------------------------------ (2007), “Materiales para la enseñanza del español en Portugal y para la enseñanza del portugués en España: gramáticas, manuales, guías de conversación (1850-1950)”, G. Magalhães (coord.): Actas do Congresso RELIPES III, Covilhã/Salamanca, UBI/Celya, pp. 59-86.

(Este post constitui uma citação revista e adaptada de fragmentos do trabalho apresentado pela autora como dissertação de Mestrado)

Sónia


sábado, agosto 16, 2008

quarta-feira, agosto 13, 2008

Inspirada em...




Em greve, até novo post da evva!!!


(PD: já agora... o filme legendado em Esperanto pode ser visto e gravado a partir daqui)

Sónia

terça-feira, agosto 12, 2008

4º dia

Desta vez em versão um pouco mais sintética, aqui vão mais algumas notas sobre mais um dos JO de Pequim.
A situação na Geórgia parece poder vir a melhorar. Mas tal como S. Tomé, mantenho a prudência. Ver para crer.



Entretanto no cubo olímpico que já aqui foi mostrado antes, os recordes não param. Ontem, a estafeta dos EUA de 4x100 livres esmagou o recorde do mundo numa prova em que os três primeiros classificados terminaram abaixo do anterior recorde. Para quem poder rever, aconselha-se. A estrela dos campeonatos Michael Phelps (na foto do lado direito) já leva 4 medalhas de ouro mas só ficará contente quando chegar às 8 e assim ultrapassar o lendário e seu compatriota Mark Spitz, que nos JO de 1972 em Munique ganhou 7.
Entretanto a discussão em torno dos fatos da Speedo continua. Há uns dias atrás, em 2 artigos no Público, João Paulo Vilas Boas, professor catedrático em treino de alto rendimento na natação, contrapôs o valor dos fatos ao valor dos atletas que os vestem e relembrou que sem fatos as coisas seriam ainda mais complicadas. Para ler e pensar.



Por falar em performances notáveis, aqui vai uma pequena nota para o casal na foto, Gail Emms e Nathan Robertson, do Reino Unido, que venceram por 2 sets a 1, Gao Ling and Zheng Bo, da China, nos quartos de final da competição de pares mistos de Badminton. Quem conseguir, que veja o último set. Fabuloso!



Mas na China nada se perde, tudo se transforma, e a sua equipa masculina de ginástica foi direitinha até ao primeiro lugar do pódio que parecia que quase só ia servir para eles. Na memória fica o exercício de Chen Yibing nas argolas. Amanhã as meninas vão tentar repetir a dose, mas a competição no sector feminino promete ser bem mais renhida.





E as fotos do dia vão para duas modalidades colectivas. A primeira, o Andebol, não tem direito a cobertura por estas bandas. Já agora, e para quem ainda não reparou, os ingleses têm, em geral, melhores resultados nos desportos individuais do que nos colectivos. Eu tenho a minha explicação para o facto mas guardo-a para conversas de café.
A segunda foto é de basquetebol. A competição olímpica tem este ano algumas curiosidades. O campeão olímpico em título é a Amé…
É a Argentina, sim senhora. E o jogador mais alto é Ame…
É Chinês pois com certeza. Chama-se Yao Ming, mede 2,29 metros e está aqui na foto.

E a China lá continua à frente no número de medalhas. Veremos por quanto tempo.


andré

Às armas, Às armas


Wouter

A Europa desfaz-se

Guerra na Geórgia, o 'Não' Irlandês. O velho continente tem os dias contados..

Vejam o último dos omina terríveis



Wouter

segunda-feira, agosto 11, 2008

3º dia

Ontem não encontrei nada de jeito pra mostrar. Devia andar distraído com a guerra da Geórgia. Lá a competição tem custado a vida a muita gente… A trégua olímpica não serviu de nada.
Já houve uma vigília de atletas da Geórgia para apelar à paz, e duas atletas (uma Russa e uma da Geórgia) uniram as mãos pela paz na cerimónia de entrega das suas medalhas.



As coisas não correram bem para a Telma Monteiro no concurso de judo. Depois de ter investido todo o seu esforço e dedicação para este momento, depois de títulos europeus e de um segundo lugar no campeonato do mundo, teve de se contentar com o nono lugar. A alta competição também passa por momentos destes. Depois da desilusão, temos de nos levantar e recompor o espírito. A vida continua. A restante participação portuguesa continua, como dizia Artur Jorge, perfeitamente normal.



Apesar dos sucessos mais ou menos inesperados na natação feminina, a moral aqui nas ilhas tem sofrido alguns danos, sobretudo no que respeita à participação deste rapazito de 14 anos, Tom Daley, grande esperança do mergulho e mascote da delegação. Competiu no concurso de mergulho sincronizado em prancha de 10 metros junto com o colega Blake Aldridge. A dupla ficou em último lugar. Depois de tudo acabar, o seu colega veio dizer que a culpa do resultado não era sua. É feio… Não se faz…
No capítulo das novelas olímpicas uma pequena nota para a resolução do incidente que envolveu um nadador iraniano e um israelita.



A história bonita do dia foi a primeira medalha de ouro olímpica da história da Índia. Confesso a minha surpresa. Foi para Abhvinav Bindra no torneio dos 10m carabina de ar comprimido.





E os JO continuam a dar origem a fotos fantásticas. Deixo aqui duas que vieram do site da NBC. A estação comprou os direitos de transmissão dos JO nos EUA por uma pipa de massa.

Entretanto corre praí o rumor de que muito do fogo de artifício que vimos na cerimónia de abertura era falso. Eram efeitos visuais… vou ter de investigar…

Até à próxima

andré

Float on people, float on!




I backed my car into a cop car, the other day
Well he just drove off, sometimes life's ok
I ran my mouth off a bit too much, oh what did I say
Well you just laughed it off, it was all ok

And we'll all float on, ok
And we'll all float on, ok
And we'll all float on, ok
And we'll all float on any way, well

A fake Jamaican took every last dime with a scam
It was worth it just to learn some sleight-of-hand
Bad news comes don't you worry even when it lands
Good news will work its way to all them plans
We both got fired on exactly the same day
Well we'll float on good news is on the way

And we'll all float on, ok
And we'll all float on, ok
And we'll all float on, ok
And we'll all float on, alright
Already we'll all float on
No, don't you worry, we'll all float on
Alright, I'm ready, we'll all float on
Alright, don't worry, we'll all float on

Alright alright we'll all float on
Alright already we'll all float on
Alright don't worry even if things end up a bit too heavy
We'll all float on...alright
Already we'll all float on
Alright already we'll all float on, ok
Don't worry we'll all float on
Even if things get heavy, we'll all float on

Alright already we'll all float on
(Alright)
Don't you worry we'll all float on
(Alright)
All float on...

Float on, dos Modest Mouse, álbum Good News For People Who Love Bad News

andré

Excelente!!!

Excelente fotografia!
Excelente banda sonora!
Excelentes receitas!
Excelente para abrir o apetite...




Sónia

3 dias depois, ainda em férias...

Publicação: 09-08-2008 11:21    |   Última actualização: 09-08-2008 16:11Sondagem SIC, Expresso e RR

De acordo com um estudo da Eurosondagem feito para a SIC, Expresso e Rádio Renascença (RR), mais de 34% dos portugueses não receberam nem vão receber subsídio de férias.


Já alguém fez alguma coisa?

Sónia

domingo, agosto 10, 2008

Boas músicas!

Silver Jews...


Sabe bem acompanhar com Wilco, Jeffrey Lewis, The Decemberists, Pavement, Stephen Malkmus, Smog, The Whitest Boy Alive, Elliot Smith, Yo La Tengo, Bonnie Prince Billy, The New Pornographers...

Sónia

sábado, agosto 09, 2008

1º dia



Katerina Emmons, da República Checa, foi a primeira medalhada dos JO na competição de tiro com carabina com ar comprimido a 10m. É casada com um atirador dos EUA que perdeu a medalha de ouro nos últimos JO ao falhar o último tiro, passando de 1º para 8º, e que agora se vai tentar recompor da desilusão. Uma bonita história que pode ser lida no site da BBC.



A BBC está a pedir aos seus espectadores para enviarem fotos para serem publicadas no seu site, como esta que mostra o ambiente fora dos recintos desportivos.



Por vezes corre mal. Craig Fallon, que já foi campeão da europa e do mundo, era a esperança Inglesa para uma medalha no Judo. Ficou fora do pódio pela segunda vez consecutiva em JO.
Mais fotos no site da BBC.



Não faço a mínima ideia quem é a atleta. A modalidade chama-se Dressage e faz parte da competição de hipismo. Chamou-me mais a atenção o olhar triste do cavalo. Se calhar perdeu um lugar no pódio. Coitado.
Mais fotos na fotogaleria do Público. O jornal tem uma secção do seu site dedicada aos JO e também um blogue dos seus enviados especiais.



E os protestos continuam. Pelo menos da falta deles ninguém se vai poder queixar.



Para não variar, mais uma sessão fotográfica com nus de atletas olímpicos. Desta vez foi a equipa britânica. Este é Philips Idowu, atleta do triplo-salto. Mais sobre o assunto aqui.



Entre a comitiva Portuguesa tudo normal. Resultados dentro do esperado. Parabéns para a Sara Oliveira que bateu o record nacional dos 1oo metros mariposa.


E já chega. Amanhã é outro dia


andré

aaaah!!…







Pormenores do Centro Nacional Aquático, ou "Watercube", ou piscina olímpica dos JO de Pequim. Mais informação e links sobre esta infraestrutura de pasmar aqui.

andré