domingo, dezembro 31, 2006

Ode


Não queiras Lídia, edificar no spaço
Que figuras futuro, ou prometer-te
Amanhã. Cumpre-te hoje, não sperando.
Tu mesma és tua vida.
Não te destines, que não és futura.
Quem sabe se, entre a taça que esvazias,
E ela de novo enchida, não te a sorte
Interpõe o abismo?

Ricardo Reis

Odes de Ricardo Reis,
(Obras Completas de Fernando Pessoa, Lisboa, Editorial Nova Ática, p.160),
publicada pela primeira vez no número 1 da Atena, em Outubro de 1924.

[evva]

sábado, dezembro 30, 2006

domingo, dezembro 24, 2006

Natividade

Iluminura de Jean Bourdichon (1457?-1521),
de Les Grandes Heures, d'Anne de Bretagne
Paris BnF Lat. 9474, f. 51v.
evva

sábado, dezembro 23, 2006

Hoje deram-me esta prenda de Natal

Creio nos anjos que andam pelo mundo
Natália Correia

Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na Deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,

Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo é eterno num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,

Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,

Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen.


andré

segunda-feira, dezembro 18, 2006

Amar os livros

La Cité des dames
Christine de Pisan
(detalhe do f. 3v,
Genève BPU Fr. 180)
evva

quarta-feira, dezembro 13, 2006



















Mais violência
Menos acção
A mesma sedução

É quase um bom filme.
Mas é o melhor Bond que eu já vi.

andré

terça-feira, dezembro 12, 2006

Cinco lições

Eu sei que os posts dos blogs devem ser curtos, mas eu peço a todos os futuros leitores para abrirem uma excepção a este caso e gastarem um pouco de tempo a ler este texto até ao fim. Obrigado.

Há quase 50 anos, quando cheguei ao Minnesotta, como um estudante recém-desembarcado de África, tinha muito que aprender, a começar pelo facto de não haver nada de esquisito em usar protectores de orelhas, quando a temperatura descia para 15 graus negativos. Desde então, toda a minha vida foi consagrada a aprender. Agora, gostaria de transmitir as cinco lições que aprendi durante dez anos, como secretário-geral da ONU - lições que, na minha opinião, a comunidade das nações também precisa de aprender, no momento em que tem de enfrentar os desafios do século XXI.
A primeira lição é que, no mundo de hoje, todos somos responsáveis pela nossa segurança recíproca. Perante ameaças como a proliferação nuclear, as alterações climáticas, as pandemias mundiais ou os grupos terroristas que operam a partir de refúgios seguros em Estados falhados, nenhuma nação pode garantir a sua própria segurança afirmando a sua supremacia sobre todas as outras. Só trabalhando em prol da segurança de todos podemos esperar garantir uma segurança duradoura para nós próprios.
Essa responsabilidade inclui a responsabilidade partilhada de proteger as pessoas do genocídio, dos crimes de guerra, da limpeza étnica e dos crimes contra a humanidade. Uma responsabilidade que foi aceite por todas as nações, na cimeira da ONU do ano passado. Mas, quando vemos os assassínios, as violações e a fome que são infligidos ao povo do Darfur, compreendemos que essas doutrinas não passam de mera retórica, enquanto aqueles que têm poder para intervir eficazmente - exercendo pressão política, económica ou, em último recurso, militar - não estiverem dispostos a dar o exemplo. Também têm uma responsabilidade para com as gerações futuras - a de conservar recursos que lhes pertencem tanto como a nós. Cada dia em que nada fazemos ou não fazemos o suficiente para prevenir as alterações climáticas tem custos elevados para os nossos filhos.
A segunda lição é que somos responsáveis pelo bem-estar de todos. Sem solidariedade, nenhuma sociedade pode ser verdadeiramente estável. Não é realista pensar que uns quantos podem continuar a retirar grandes benefícios da globalização, enquanto milhares de milhões de outros permanecem ou são atirados para uma pobreza abjecta. Devemos dar a todos os nossos semelhantes pelo menos a possibilidade de partilharem a nossa prosperidade.
A terceira lição é que a segurança e a prosperidade dependem do respeito pelos direitos humanos e o Estado de direito.
Ao longo da história, a diversidade enriqueceu a vida humana e as diferentes comunidades aprenderam umas com as outras. Mas, se quisermos que as nossas comunidades vivam em paz, devemos salientar também o que nos une: a nossa humanidade comum e a necessidade de a nossa dignidade humana e direitos serem protegidos pela lei.
Isso também é vital para o desenvolvimento. Tanto os estrangeiros como os cidadãos de um país tendem a investir mais, quando os seus direitos fundamentais são protegidos e quando sabem que serão tratados equitativamente pela lei. E as políticas que favorecem verdadeiramente o desenvolvimento têm mais hipóteses de ser adoptadas, se as pessoas que mais necessitam do desenvolvimento puderem fazer ouvir as suas vozes.
Os Estados precisam também de cumprir as regras que regem as relações entre eles. Nenhuma comunidade, em parte alguma do mundo, sofre de excesso de Estado de direito, mas muitas sofrem de falta dele - e isto aplica-se também à comunidade internacional. É uma situação que devemos mudar.
A minha quarta lição é, pois, que os governos devem ser responsabilizados pelos seus actos, tanto na cena internacional como na nacional. Todos os Estados devem prestar contas àqueles que são afectados, de uma maneira decisiva, pelas suas acções. Na situação actual, é fácil obrigar os Estados pobres e fracos a prestar contas, pois precisam de ajuda externa. Mas só o povo dos Estados grandes e poderosos, cuja acção tem maior impacto sobre os outros, pode obrigá-los a fazê-lo. Isto confere ao povo e instituições dos Estados poderosos uma responsabilidade especial por ter em conta as opiniões e interesses mundiais. E hoje têm de tomar em consideração os actores não estatais. Os Estados já não podem - se é que alguma vez puderam - enfrentar sozinhos os desafios mundiais. Cada vez mais, precisam da ajuda de uma miríade de associações em que as pessoas se juntam voluntariamente, para benefício próprio ou para reflectir em conjunto sobre a situação do mundo e para o mudar.
Como é que os Estados se podem responsabilizar uns perante os outros? Só por intermédio de instituições multilaterais. Assim, a minha quinta e última lição é que estas instituições devem ser organizadas de uma maneira justa e democrática, permitindo que os pobres e os fracos tenham alguma influência sobre a acção dos ricos e dos fortes.
Os países em desenvolvimento deveriam ter mais influência nas instituições financeiras internacionais, cujas decisões podem significar a vida ou a morte para os seus cidadãos. E haveria que incluir novos membros permanentes ou a longo prazo no Conselho de Segurança, cuja composição reflecte a realidade de 1945 e não a do mundo actual. E, o que não é menos importante, os membros do Conselho de Segurança devem aceitar a responsabilidade que acompanha o privilégio de o integrarem. O Conselho não é um palco para expressar interesses nacionais. É o comité de gestão do nosso frágil sistema de segurança mundial.
Mais do que nunca, a humanidade precisa de um sistema mundial que funcione. E a experiência tem demonstrado, repetidamente, que o sistema é pouco eficaz, quando os Estados-membros estão divididos e carecem de liderança, mas funciona muito melhor, quando há unidade, uma liderança clarividente e a participação de todos os actores. Sobre os dirigentes do mundo, os de hoje e os de amanhã, recai uma grande responsabilidade. Compete aos povos do planeta assegurar que se mostrem à altura dessa responsabilidade.

Kofi A. Annan
Secretário-geral das Nações Unidas
in Publico, 12 DEZ 2006


andré

terça-feira, dezembro 05, 2006

Grande gente assuada em Camaalot

Lancelot e Galaaz
(Iluminura do Manuscrito BN fr 116 f. 667)


Nas últimas semanas, têm aqui chegado através de motores de busca portugueses e espanhóis (sobretudo da Catalunha), várias pesquisas intituladas Vespera de Pinticoste foi grande gente assuada em Camaalot..., assim mesmo, ipsis verbis, tal como se encontra no manuscrito 2954 da Biblioteca Nacional de Viena.
Caros visitantes, sejam bem-vindos. Neste blog reunem-se verdadeiros entusiastas dos textos arturianos em prosa. Se quiserem conversar sobre os cavaleiros da Távola Redonda, dissertar sobre os amores de Lancelot e a rainha Genevra, ou de Tristão e Iseu, o lugar de Boorz de Gaunes na linhagem do rei Ban, a sabedoria do rei Bandemaguz, os percursos de Galaaz, Galvão, Perceval e demais cavaleiros, partilhar leituras, convicções, loci critici... chegaram definitivamente a Corberic e têm à disposição a caixa de comentários ou o endereço electrónico indicado no perfil. Podem ter a certeza que, deste lado, haverá sempre alguém interessado em responder.

evva

domingo, dezembro 03, 2006

Inesperadamente...

Your Inner European is Italian!
Passionate and colorful.
You show the world what culture really is.


Será que foi por ter escolhido o Ferrari? Quem adora conduzir... Ou preferir vinho e ópera a cafés submersos em fumo que nos arranham a garganta e estragam a cútis? But, anyway, I'll always have Paris.


evva

P.S.: Daqui.

Para ler, reler e meditar

Francisco José Viegas, no Origem das Espécies:

«Assim é fácil.

O mail do leitor Luís Varela coloca um problema sobre a língua, a correcção gramatical e a incorporação de novas expressões e léxico. Seria bom que se reflectisse sobre o assunto. Estará certo incorporar expressões como «tu dissestes» ou «tu fizestes» apenas porque elas são escutadas e popularizadas? Nos anos oitenta as faculdades retomaram a «linguística da oralidade» contra a «escrita», o que desvalorizou a ideia de «norma» e a abriu ao «linguajar registado»; ou seja, se se registam expressões como essas, o que nos permite dizer que estão erradas? É uma democracia da barbaridade, mas é necessário discutir o assunto. Outro caso é a expressão «bué», por exemplo, incluída no Dicionário da Academia. Trata-se de um modismo que, aliás, caiu em desuso actualmente; mas a vontade de ser «moderninho» e «actualizado» levou à sua inclusão no Dicionário da Academia. O problema é que um dia destes haverá, nos dicionários, entradas que apenas foram popularizadas pelo Gato Fedorento, que as ridiculariza, ou pela Ana Malhoa, que as utiliza com grande alegria. Assim é fácil.»

É um assunto que há muito me preocupa. Concordo que certos vocábulos do registo calão ou gíria integrem os dicionários (como seria mais fácil ler e entender o passado se os dicionários antigos os integrassem... Relembro a este propósito a polémica em torno do verdadeiro significado da expressão 'une saison en enfer', de Rimbaud). Mas aceitar como norma línguística certas expressões só porque os falantes as utilizam quotidianamente encerra o perigo de demoronamento da língua, pela relativização das regras que a estruturam. Numa escola onde leccionei, uma colega com responsabilidades na biblioteca dizia sempre 'parteleira' por 'prateleira'. À luz dos pressupostas da nova 'Gramática da Língua Portuguesa' este registo até poderia ser aceite.

evva

Estados de espírito

Il pleure dans mon coeur



Il pleure dans mon coeur
Comme il pleut sur la ville;
Quelle est cette langueur
Qui pénètre mon coeur?

Ô bruit doux de la pluie
Par terre et sur les toits!
Pour un coeur qui s'ennuie,
Ô le chant de la pluie!

Il pleure sans raison
Dans ce coeur qui s'écoeure.
Quoi! nulle trahison?...
Ce deuil est sans raison.

C'est bien la pire peine
De ne savoir pourquoi
Sans amour et sans haine
Mon coeur a tant de peine!

Paul Verlaine (1844-1896)

[evva]

sexta-feira, dezembro 01, 2006

A quem surpreendeu esta notícia?


Terão os clubes de futebol profissional coragem para acabar de vez com as claques organizadas e por si subsidiadas? Alguém duvida da marginalidade que grassa nestes grupos? Quando ouço a linguagem insultuosa com que enfeitam os jogos a que assistem pergunto-me por que é que ainda me dou ao trabalho de gostar de futebol.

evva

segunda-feira, novembro 27, 2006

You Are Welcome To Elsinore

Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam

e podem dar-nos morte violar-nos
tirar do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes
espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo, e do seu precipício

Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida, há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós
e outras frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens,
palavras que guardam o seu segredo, e a sua posição

Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras noturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos conosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais, só sombra só soluço
só espasmo só amor, só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar


Mário Cesariny (1923-2006)


andré

domingo, novembro 26, 2006

ATÉ QUE ENFIM



Confesso que não me lembro... Talvez no berço... Mas a partir de hoje estarei muitas vezes neste 31. Vejam e revejam aos imprescindíveis 3G dos Darth Vaders da blogosfera portuguesa.

evva

sábado, novembro 25, 2006

Já tem quase uma semana, mas não quero deixar passar. Se não fosse verdade, poderíamos até rir. Vasco Graça Moura, no DN de 22/11:

Num site do Ministério da Educação (http/www.dgidc.minedu.pt/ TLEBS/CDMateriaisDidacticos/ trabalhos/90_Lusiadas _3C.ppt), pode encontrar-se a TLEBS [Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário] aplicada à análise de uma estrofe de Os Lusíadas (II, 12), destinada aos alunos do 9.º ano e qualificada como "corpo linguístico ambíguo". O facto de o ministério ter acolhido o trabalho feito numa escola básica na sua página da rede fala por si.

A estrofe é esta: Aqui os dous companheiros conduzidos / Onde com este engano Baco estava, / Põem em terra os giolhos, e os sentidos / Naquele Deus que o mundo governava. / Os cheiros excelentes, produzidos / Na Pancaia odorífera, queimava / O Tioneu, e assim por derradeiro / O falso Deus adora o verdadeiro. Depara-se-nos logo o fac-símile de duas páginas do Canto II da edição de 1572, com o terrível azar de não figurar aí a estrofe em questão... São reproduzidas as n.ºs 63 a 68, não se percebe porquê.

A análise tem coisas extraordinárias. Alguns exemplos:
1. Afirma-se que "o nome próprio Deus nos surge em três posições ambíguas. A primeira é naquele Deus que..., "pressupondo a existência de outros, o que o torna comum e lhe retira o carácter de entidade única". Acontece que o nome Deus surge apenas em duas posições. E se, na terceira, está implícito, não está como nome. Em vez dele está o pronome "o" [verdadeiro]. A expressão "naquele Deus" não o dessingulariza. Não pressupõe, antes exclui a existência de outros. Basta ler. É um mero expediente enfático e métrico. Não há qualquer ambiguidade. Deus não é contraposto a outros deuses em termos equívocos. Quando muito, ambíguo seria o verbo no imperfeito do indicativo ("governava", em vez de "governa"), por razões de rima, e isto é que devia ser explicado...

Diz-se também que a segunda e terceira posições da dita ambiguidade do nome próprio Deus estariam em "falso Deus" e "verdadeiro [Deus]". Volta a não haver ambiguidade: um é falso e o outro é verdadeiro... Aliás, se ambiguidade houvesse, haveria que explicar, em termos empsonianos, que a incerteza ou sobreposição de sentidos funcionaria como recurso de intensificação do efeito poético e da ironia.

2. Pancaia é o nome de uma ilha utópica no Oceano Índico, imaginada por Evémero de Messina (séc. III a. C.). Havia nela árvores de incenso e outras essências vegetais próprias para rituais religiosos. Daí, "os cheiros excelentes, produzidos na Pancaia odorífera" e queimados por Baco. Mas lemos: "o nome próprio Pancaia assume também valor de nome comum devido à presença do determinante demonstrativo '...aquela', constituindo assim uma perífrase de 'Ilha'". Isto continua a ser puro dislate. Mas o mais bizarro é que o tal determinante demonstrativo "aquela" com tão mágicas e sofisticadas propriedades, NÃO SE ENCONTRA na estrofe analisada!!! É forjado para fins da análise e isto é verdadeiramente grave... E mais grave ainda é o ministério avalizar esta enormidade!

3. Mas há outras coisas pungentes. Noções reaccionárias como sujeito, predicado, complemento directo, complementos circunstanciais, dão lugar a embrulhadas rebarbativas que, do ponto de vista da aprendizagem dos jovens, não adiantam absolutamente nada. Basta ver como os complementos "...em terra" e "... os giolhos" são descritos. Para o primeiro, temos: "núcleo de um complemento preposicional em posição pós-verbal, constituindo uma unidade sintáctica que serve de locativo à forma verbal põem" e, para o segundo: "núcleo de um grupo nominal que constitui o complemento directo da expressão predicativa anterior". Por sua vez, "... e os sentidos naquele Deus que..." é explicado como "núcleo de um grupo nominal equivalente ao anterior, regido pela conjunção copulativa e que o transforma em complemento directo da expressão predicativa formada pela forma verbal põem".

4. "... produzidos na Pancaia odorífera..." é apresentado como "núcleo de um complemento preposicional seleccionado pela forma verbal 'produzidos' como argumento indispensável". O que é que um aluno vai compreender quanto ao argumento indispensável? De resto, pôr os joelhos em terra e produzir na Pancaia é assim tão diferente? Na Pancaia já não serve de locativo à forma verbal produzidos?

5. "... os cheiros excelentes" acarretam o odor evanescente de um "núcleo de um grupo nominal com função de complemento directo e um Modificador adjectival, em posição de atributo"...

6. "... com este engano Baco estava..." explica-se como "verbo copulativo aqui a assumir um valor absoluto ao dispensar o nome predicativo do sujeito - predicado de uma unidade de hierarquização também secundária". Como é que os alunos vão entender que, muito simplesmente, aquele "Baco estava" quer dizer "Baco encontrava-se ali"?

7. "... e assim por derradeiro, o falso Deus adora o verdadeiro" dá lugar a esta trapalhada: "Predicado da frase que constitui uma oração coordenada copulativa/conclusiva (ligada à anterior pela locução conjuncional e o conector de valor conclusivo assim)". Parece que toda a frase é o "predicado da frase"

E o que será pegar em todos os dicionários e onde, na entrada "assim", vem indicado advérbio, alterá-los para se incluir "conector de valor conclusivo"?

8. "Por derradeiro" implica a seguinte explicação deveras transparente: "complemento preposicional aparentemente modificador do sujeito 'falso Deus' no que constituiria uma oração subordinada causal. Na verdade, no contexto, a expressão indica 'Por fim; finalmente' e reforça o valor conclusivo dos elementos anteriores". Quer dizer: formula-se uma hipótese desnecessária, antes de se dar a informação correcta...

Disto se vê como até os professores se enredam nas suas próprias confusões. Escapa à minha obtusidade como é que miúdos de 14 ou 15 anos, ainda por cima mal preparados, vão perceber tudo isto e muito mais nos 45 minutos que são expressamente indicados para a análise em questão. Não lhes chegará todo um ano lectivo à roda desta oitava camoniana! Com a TLEBS, descobriu-se a maneira de reduzir o estudo de Os Lusíadas no 9.º ano a uma só estrofe das 1102 do poema. Coitado do Tioneu!

O ódio à Literatura atinge o seu paroxismo nestes modelos de autópsia. Acuso deste crime o Ministério de Educação.»

evva

PARIS JE T'AIME


F-A-B-U-L-O-S-O


É para já o meu fime do ano. Aqui deixo uma imagem de 'Quais de Seine', uma das 18 deliciosas histórias de 5 minutos de encontros e desencontros na cidade das mil luzes e outras tantas culturas e nacionalidades. O comentário alargado fica para mais tarde.



evva

P.S.: Se não passar por aí, don't worry, pretendo revê-lo uma, duas, três, cinco, dez vezes. A bientôt.

quarta-feira, novembro 22, 2006

A GREVE

Os alunos do Secundário das escolas do concelho decidiram reservar o dia de hoje para protestar contra as aulas de substituição. Quando cheguei, uma enorme e ruidosa concentração fazia-me adivinhar o pior. Entrei, juntamente com alguns alunos, pela porta do estacionamento para evitar grandes atrasos. Na aula das 8h20 tinha duas alunas à minha espera, um terceiro, amedrontado, chegou pouco depois. As duas alunas tinham decidido assistir à aula, um direito que lhes assiste e para o qual o Estado contribui com largos milhões de euros em cada Orçamento, de livre e espontânea vontade. O aluno veio com medo de represálias do Encarregado de Educação, um pavor ainda maior do que a chacota dos restantes grevistas da turma.

«A professora vai marcar faltas?! NÃO PODE!!». «Claro que vou. Quem decide usufruir do direito à greve, tem de assumir as responsabilidades de tal escolha. Os professores e todos os outros trabalhadores quando aderem a uma greve têm sempre falta e não recebem remuneração nesse dia». «Mas disserem-nos que não podia marcar falta a ninguém, nem era preciso justificar». Desisti. Com alunos do 7º ano de escolaridade tão politizados é inútil argumentar. Diga-se de passagem que a aula decorreu agradavelmente com a revisão da matéria leccionada nas últimas aulas.

Entretanto, a hoste reunida no portão principal da escola começara a dispersar. Os arames que haviam introduzido nas fechaduras dos portões tinham sido retirados, mas só depois de se desmontarem as fechaduras, que ficaram inutilizadas (quem paga os estragos?). No segundo bloco da manhã já as aulas funcionavam normalmente, com a presença de todos os alunos.

Acrescente-se que na escola secundária onde actualmente lecciono as aulas de substituição funcionam de forma muito organizada. Quem procurar um libelo de uma docente do ensino secundário com doze anos de serviço contra as aulas de substituição veio bater em porta alheia. Sou totalmente a favor das aulas de substituição. Tranquiliza-me saber que, se tiver uma consulta médica ou adoecer e não puder trabalhar, os meus alunos estarão na sala de aula com actividades por mim seleccionadas ou escolhidas pelo professor designado para substituir-me, se adoecer de repente. A escola estabeleceu também um sistema de permutas, a que recorri quando tive que deslocar-me a um hospital público para consultas e exames ou participei num colóquio.

Por outro lado, já substitui, neste ano lectivo, mais de uma dezena de colegas: dei aulas de matemática, inglês, geometria descritiva, desporto, biologia, saúde e socorrismo, geografia e ciências naturais. Só uma vez fiz uma substituição de francês, uma das minhas áreas de formação. As aulas de substituição decorreram muito bem, sobretudo quando os colegas deixaram o plano de aula, o que aconteceu em 50% das vezes. Quando tal não aconteceu, dirigi-me à estante com exercícios e fichas de trabalho de todas as disciplinas e, muitas vezes com a ajuda dos colegas da disciplina, seleccionei uma série de actividades a desenvolver na aula de sunstituição. Só uma vez, numa aula das 8h20, não tendo a colega podido deixar o plano de aula, optei por actividas lúdicas. Os alunos de um 9º ano escolheram um filme, que a delegada de turma foi requisitar à biblioteca. Jurei que nunca mais me metia noutra. Ao fim de 20 minitos, já ninguém ligava ao filme e vi-me grega para manter os alunos sentados e calados.

Tudo isto para dizer que os alunos da minha escola não podem ter razões de queixa das aulas de substituição. Podem discordar ter que vir, numa manhã ou tarde, de propósito à escola para ter uma aula substituição, ou da possibilidade de sairem mais cedo no final de cada turno para evitar a hora de ponta. Estas greves contra as aulas de substituição que pululam em quase todos os distritos e animam os noticiários não têm a mínima razão de ser e esta medida é talvez a única decisão relacionada com a educação tomada por este governo digna de louvor. Quanto às restantes medidas, nomeadamente o ECD, esperem pelos próximos capítulos, que o intervalo acabou e tenho de ir substituir uma colega de inglês. Já tenho as fichas de trabalho preparadas desde ontem à tarde.

evva

segunda-feira, novembro 13, 2006

A pensar é que a gente se entende









Ainda que o título do post possa causar algum melindre a determinadas pessoas deste blog, pelo uso menos adequado da palavra "gente", esta foi a melhor forma que encontrei para recomendar a visita ao site da BBC Radio 3, onde poderão ouvir uma entrevista com Brian Eno (na foto) a propósito do festival Free Thinking, organizado pela estação/instituição nacional de rádio britânica.
Porque às vezes vale a pena ouvir os outros pensar.

andré

domingo, novembro 12, 2006

Keith Jarret Trio em Portugal













Hoje, 12 de Novembro de 2006, vai ter lugar, em Lisboa,
o concerto do ano… e eu não vou poder lá estar…

andré

quinta-feira, novembro 09, 2006

Venha o próximo!

'When the new century came there was fantastic goodwill in the world,' Yunus recalls. 'We had a tremendous optimism, we wanted a different kind of world. For the first time in human history, all the nations got together and set a date, via the UN's Millennium Goals, to improve the world. We want to reduce the number of poor people by half by 2015, they said. And then ... and then comes Bush! Who turns the whole thing backwards. He creates distrust among people, he undermines the authority of the government, and he says, I can handle everything myself. And so today we are in mess and we don't know how we are getting out.'

Este excerto da reportagem do semanário inglês The Observer, sobre o nobel da Paz de 2006, Muhammad Yunus, é suficiente para dar uma imagem clara sobre o impacto que George W. Bush está a ter na história deste milénio que ainda agora começou.
Na semana passada, o Público dava conta de uma sondagem promovida pelos jornais "The Guardian" (Reino Unido), "Haaretz" (Israel), "La Presse" e "Toronto Star" (Canadá), e "Reforma" (México), que reveleva que o actual presidente dos EUA era visto como uma ameaça mais séria à paz mundial do que o líder norte-coreano, Kim Jong-il, e o Presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad.
Parece demasiado associar uma pessoa a um conjunto tão alargado e profundo de acontecimentos. E verdade seja dita, a administração Bush não teve propriamente muita sorte com alguns dos acontecimentos com que foi confrontada.
Mas o que a torna tão mal vista não são tanto os seus actos mas sim as ideias que estão por trás. Ideias incorporadas em pessoas como Paul Wolfowitz, um dos pais da democratização do mundo, ou o agora (finalmente) demitido Donald Rumsfeld, que acreditava que a guerra do Iraque ia durar uns meses (?!). Esta administração baseia-se, de facto, em ideias que, noutro contexto, poderiam ser consideradas muito perigosas.
A democracia actual tem dilemas sérios, como referiu John Keane no Público de domingo, e esta administração tem sido pródiga na forma como tem demonstrado isso mesmo. Mas como só os americanos podem eleger o seu presidente, vamo-nos contentando com os resultados das eleições intercalares, onde os democratas ganharam a maioria no senado e na câmara dos representantes.
Contudo, o povo diz que "gato escaldado de água fria tem medo". E eu lembro-me bem da intervenção na Somália nos anos 90, em nome da paz. Foi mais curta do que o Iraque, e as tropas americanas tiveram de bater em retirada. O presidente da altura chamava-se Bill Clinton, e era democrata.
Mas parece-me que ninguém se importa muito com quem vem a seguir. O importante é que a administração Bush saia. Depressa.

andré

PS: …ainda faltam mais dois anos. Alguém consegue arranjar um acelerador?

segunda-feira, novembro 06, 2006

VERGONHA


Uma condenação à morte evitável. Até quando estaremos dispostos a aturar a exportação do pior que a América tem? Seria uma boa oportunidade para a Europa sublinhar a sua oposição à sentença de morte, com uma veemente condenação à decisão de um tribunal que se suspeita instrumentalizado e esforços diplomáticos para transformar a pena em prisão perpétua.

evva

quinta-feira, novembro 02, 2006

Os pontos nos ii

Vasco Graça Moura, no DN de ontem, a alertar mais uma vez para a gravidade da 'linguisticização' do ensino da Língua Portuguesa e citando dois excelentes artigos de Maria Alzira Seixo e Maria do Carmo Vieira. Sublinhados meus:

«A sublimação

Há perto de um ano, abordei nesta coluna a questão da nova terminologia linguística para os ensinos básico e secundário (TLEBS). Agora, com a serenidade olímpica e a autoridade incontestável que lhe vem do muito saber académico, de uma longa experiência cultural e pedagógica e de um bom senso elementar, Maria Alzira Seixo, numa síntese fundamental, "A TLEBS e a educação" (Visão, 26.10.2006), põe em evidência como certos sectores da Linguística em Portugal (talvez, digo eu, por qualquer descompensação da ordem do freudiano...) se estão solenemente nas tintas para a Literatura e para o papel essencial que esta deveria ter no ensino e na aprendizagem da língua portuguesa.
Demonstra que nunca é inocente a substituição de uma terminologia gramatical por outra e anota não ser cientificamente consensual, nem isenta de muitas incoerências, a orientação universitária que foi imposta através da TLEBS e que não deveria, portanto, ter sido considerada "representativa para uma orientação ministerial".
Sublinha que nem a Gramática nem a Língua são feudo exclusivo da Linguística e estão também indissoluvelmente ligadas à Literatura e à Filosofia.
Exprime o receio, mais do que fundamentado, de que o pensamento subjacente à TLEBS não favoreça a qualificação educativa.
Denuncia o autismo teórico das concepções subjacentes à TLEBS e os "raciocínios tecnicistas e funcionais, com uma óptica exclusivista e auto-suficiente que, não dialogando com áreas centrais do pensamento humanístico, estreita a compreensão gramatical".
Aponta o lado abstruso, aberrante e incompreensível de muitos aspectos da terminologia em questão, bem como os equívocos a que isso dará lugar, tanto no plano da docência como no da discência.
E observa: "Não é por serem diferentes que as designações são inovadoras ou adequadas; Rodrigues Lapa mostrou há décadas, relacionando linguística e literatura, que a estilística da língua matiza as categorias gramaticais e a actualiza em alterações da norma praticadas por escritores que criam valores que a categoria não contém e é a literatura que vai fixando".
A rematar, uma evidência clamorosa: "Ninguém pode obrigar um professor a ensinar mal".

Também Maria do Carmo Vieira publicou um excelente artigo, "O regresso da polémica", no JL de 25.10.2006, em que, depois de uma breve resenha da tragicomédia do ensino da Gramática, dá uma série de exemplos de pôr os cabelos em pé.
Entre outros, há pronomes indefinidos que dão agora pelos nomes sorumbáticos de "quantificadores indefinidos", "quantificadores universais" e "quantificadores relativos". Nos advérbios, encontramos coisas alucinantes como "advérbios disjuntos avaliativos", "advérbios disjuntos modais", "advérbios disjuntos reforçadores da verdade da asserção" e "advérbios disjuntos restritivos da verdade da asserção". O sujeito indefinido passa a ser o luminoso "sujeito nulo expletivo". O "aposto ou continuado" chama-se bombasticamente "modificador do nome apositivo", podendo ser do tipo "nominal", "adjectival", "proposicional" ou "frásico"...

Isto posto, o que é que leva a ministra da Educação a aceitar um conjunto de enormidades deste tipo e a desatender as muitas objecções que, sem dúvida, lhe chegaram da parte de inúmeros professores?
Quem são os responsáveis que, no seu ministério, se vêm enfeudando a estas aberrações, conseguindo fazê-las consagrar na lei, com os resultados desastrosos que todos conhecem? Não lhes acontece nada? Ninguém pensa em pô-los na rua?
Não se vê que a avaliação dos professores, face ao novo estatuto, se vai tornar absolutamente impraticável nesta matéria? Nem que o ensino se vai degradar ainda mais?
Será isto uma política da Educação? Será assim que a cooperação com os outros países de língua portuguesa vai ser mais eficaz, no tocante ao ensino e promoção da língua comum?
Não há um deputado à Assembleia da República para interpelar o Governo, uma associação de pais para protestar com energia, uma associação de professores para se recusar terminantemente a pôr em prática esta pepineira?
Assim como a sublimação implica a passagem do estado sólido ao estado gasoso, sem passar pelo intermédio, temos agora este trânsito da ignorância geral à embrulhada específica, sem se passar pelo estado intermédio e necessário de um ensino razoável e sensato.
Por alguma razão a palavra "gás" deriva de kaos. Esse será o resultado deprimente do ensino gasoso que a TLEBS nos prepara.»

evva

Para além da curva da estrada


A minha avó materna partiu na sexta-feira passada, no primeiro dia de um Verão luminoso e anacrónico que sucedeu a dias e dias de chuva diluviana. Apesar da manhã ter surgido hoje submersa em neblina, a recordar o mês em que estamos, continuo à procura da curva da estrada que traga o Outono de volta e finalmente me reconcilie com a realidade.

A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto.
Se escuto, eu te oiço a passada
Existir com eu existo.

A terra é feita de céu.
A mentira não tem ninho.
Nunca ninguém se perdeu.
Tudo é verdade e caminho.

FERNANDO PESSOA (22.5.1932), Cancioneiro

Elsa

sexta-feira, outubro 20, 2006

O que distingue a música boa da música má?

"A quase impossibilidade do reconhecimento disto quando da sua primeira audição."

Caetano Veloso em entrevista Pessoal e Transmissivel, com Carlos Vaz Marques, na TSF.

quarta-feira, outubro 18, 2006

I feel disgusted

Ontem a administração Bush assinou uma lei que aprova o uso de métodos ditos "agressivos" nos interrogatórios relacionados com a guerra contra o terrorismo. Não sei que tipo desculpas podem dar os defensores da "democracia" americana para defenderem a aplicação desta lei. Para mim, é mais uma prova que, este presidente e a sua comandita têm muito pouco de democrático. E se esse é o peixe que querem continuar a vender para que nós aceitemos cegamente tudo o que fazem, deveriam dar o exemplo, ao menos para manter iludidos os pobres coitados. .. uma coisa é certa. A minha ideia de democracia não tem nada a ver com isto. E gostaria, embora saiba que o pai natal não dá este tipo de presentes, que a Europa seguisse de vez um outro caminho.

Norma

domingo, outubro 15, 2006

AFINAL NÃO ESTAMOS SÓS



O que é que se vê nesta fotografia?

(a) Um estádio do EURO 2004 em final de construção.
(b) O estádio Olímpico de Atenas a ser terminado.
(c) O estádio de Wembley no final do seu processo de remodelação.

Se escolheu a opção b (a primeira é demasiado óbvia), enganou-se.
Não são só os Portugueses e os Gregos a meter água na construção de estádios. De acordo com o semanário The Observer, vão ser gastos 827 milhões de libras (± 1240 milhões de euros) na remodelação do ícone futebolístico britânico. O custo inicial era de 458 milhões de libras (± 687 milhões de euros)…

Qual é a moral da história?

(a) Afinal os nossos estádios não demoraram assim tanto a ser construídos.
(b) Os ingleses gastam mais nos estádios mas também na educação e na cultura.
(c) Isto só serve para apagar as mágoas das asneiras que fazemos.

Eu resigno-me à escolha da terceira opção. Mas cada qual pode escolher o final que quiser.
Quanto aos gregos, eu só os pus aqui para vos enganar.


andré

quinta-feira, outubro 05, 2006

Há dias assim... II


Este dia devia ser celebrado para recordar a independência de Portugal, ocorrida há 863 anos (1143) e consagrada pela assinatura do Tratado de Zamora, em que Afonso VII de Leão reconhecia a legitimidade de Afonso Henriques, e não para festejar na Praça do Munícipio de Lisboa o início da governação desastrosa que foi a Iª República.

evva

terça-feira, outubro 03, 2006

Há dias assim…

Ora então vejamos:
Acordei às seis e meia para poder chegar duas horas antes do voo, sabendo já que não me iria livrar do pagamento do excesso de bagagem. Esta mala saiu mais pesada do que a da semana passada…
Já no aeroporto, e durante a verificação da bagagem, o discman sai disparado da mochila e estatela-se no chão ficando, daí em diante, com uma esclerose que o faz parar a meio da cada música que toca. Durou mais de 10 anos com muitas quedas e nenhum problema. Tadinho…
Chegado ao destino, e depois de uma bela soneca, ficamos todos cerca de 20 minutos à espera que nos verificassem os BI ou passaportes. Sigo para o primeiro comboio do dia. Faltavam ainda cinco minutos prá partida…
Chegado ao fim da viagem, e após comer um queque com pintinhas púrpura e beber um earl grey – que era mais grey do que outra coisa – começo a corrida para o segundo comboio. Com as moedas para a máquina de bilhetes do metro já no bolso, dali até à estação foram menos de dez minutos.
Entretanto, como a pressa e com o peso, a pega retráctil da mala parte e, após testados vários tipos de pega, sujeito-me à única que funciona: pernas ligeiramente flectidas e corpo inclinado prá direita para poder agarrar a mala. Saco cama e edredão na mão esquerda e a mochila com o computador no ombro do mesmo lado.
A menos de um minuto antes da partida entro no comboio. Arrasto a mala até à minha carruagem, troco a camisa ensopada de suor, e após ir ao bar buscar comida, vou para um lugar que não é o meu para não ter de ouvir o ressonar da senhora que estava sentada ao meu lado.
Agora com tempo para pensar, escrevo esta crónica com uma certeza: quando chegar vou de táxi até casa.


andré

PS: Deixei a raquete de squash no primeiro comboio…

segunda-feira, outubro 02, 2006

Olé II



Lula vai à segunda volta.

Será desta que se digna a aparecer nos debates? O Brasil merece melhor.

evva

P.S.: Sobre o suposto 'milagre' da diminuição da pobreza, ler Dar Engano, no Lóbi do Chá.

Olé


evva

sábado, setembro 23, 2006

Adeus Margarida













Ontem o dia amanheceu com o sol e com ele ficou até ao fim.
O frio já faz sentir a manga curta ao final da tarde.
Depois de uma entrada violenta, o Outono mostra porque dá o vermelho às plantas e a nostalgia aos sentidos.
Ontem a Margarida morreu. Era nossa amiga e nós gostávamos muito dela.

andré

sexta-feira, setembro 22, 2006

Isto de passar o dia inteiro a ouvir falar com sotaque de Gondomar... Não vos digo nem vos conto. Vá lá que é tudo gente simpática.

Eu até gosto muito do colorido dos sotaques, apesar do meu português indistinto, com raríssimas marcas de regionalismo, que faz com que os que me conhecem pela primeira vez duvidem, desconfiados, que eu seja do Porto, mas, enfim, há fonéticas e fonéticas...

evva

quinta-feira, setembro 21, 2006


Há um ano, nascia em Coimbra o cavaleiro desejado. Tem sido um privilégio vê-lo crescer e descobrir o mundo com aquele sorriso que tudo ilumina à sua volta.
Parabéns!

evva

terça-feira, setembro 19, 2006

Aleluia!

E hoje chegou finalmente o resultado da minha reclamação do concurso de colocação de professores. Pelos vistos, houve um erro técnico e vou ser recambiada para a escola do último colocado do QZP, já que aquela escola era a minha 18ª opção (fui parar à escola 92ª) e o colega da 18ª está 100 e tal lugares depois de mim na lista de graduação.
Já tive conhecimento de dezenas de reclamações (afinal, nem tudo correu bem, sr.ª ministra...), só espero que os outros colegas prejudicados pela tal 'falha técnica' vejam a sua situação regularizada quanto antes, sobretudo os contratados. Pois se eu pude constatar dezenas de atropelos no concurso para os QZPs, no concurso dos contratados é melhor nem falar. Boa sorte a todos.

evva

MEC e Israel


"A minha posição é muito simples: apoio Israel, aja mal ou aja bem e haja lá o que houver. Suponho que isto faça de mim, segundo a óptica da época, um fundamentalista, tão mau como os terroristas: não me importo. Cada um é livre de pensar o que quer. E é aqui que começa (e não acaba) o problema.
Se eu quiser interrogar a minha simplicidade, basta-me ler a imprensa israelita. Aí são expostas e ardentemente defendidas todas as posições possíveis. Se quiser ultrapassar à esquerda ou à fanática os mais ferozes anti-sionistas europeus e americanos (os portugueses, felizmente, são sempre desinteressantes) lá estão todos os extremismosque eu possa pretender.
Os israelitas têm, em comparação com aqueles com que guerreiam, algumas grandes vantagens. Não querem a destruição completa do povo a que pertence o exército adversário. Gostam da liberdade de expressão; da democracia liberal; dos direitos humanos. Pensam no que fazem; têm problemas de consciência; dúvidas que exprimem publicamente e debatem sem pudor. Votam e deixam votar. Enfim, Israel é como Portugal, como a Europa, como os Estados Unidos, como o Japão, como a Austrália e todos os países onde o indivíduo é livre de discordar, rebelar-se e ser do contra. Ou, no meu caso, de não se rebelar - nem sequer contra os que se rebelam.
Para mim, os adversários de Israel são os nossos. Por definição. São os que querem destruir um Estado e um povo democráticos. Mais: Israel somos nós. Não nos faz lembrar nada aquele país diminuto rodeado por inimigos, com um único aliado poderoso? Faz lembrar Portugal há muitos séculos atrás, quando a ideia de Portugal ainda não era aceite. Os israelitas têm os americanos como nós tínhamos os ingleses. E os restantes europeus, como sempre, vacilam em volta, confundindo a própria confusão.
Não é em Israel nem aqui que existe unanimidade ou se procura alcançá-la. Essa é a razão do meu apoio: poder concordar. Também é uma liberdade. É onde há unanimidade - e onde se procura impô-la - que está o que se deve temer e contrariar.
"

Miguel Esteves Cardoso, Nós também somos Israel, na Única do "Expresso" (no Blog da Atlântico).

Escusado será dizer que assino por baixo.

evva

segunda-feira, setembro 18, 2006

domingo, setembro 17, 2006

Vê, enfim, que ninguém ama o que deve, / Senão o que somente mal deseja.


Comecei a ler Pode um desejo imenso, de Frederico Lourenço, e juro que amanhã vou ler na íntegra, de um só fôlego, as Rimas e Os Lusíadas com olhos inquiridores. Mas só depois de oito horas de NEE e Apoios Pedagógicos Acrescidos*. Entretanto...

Pode um desejo imenso
Arder no peito tanto,
Que à branda e à viva alma o fogo intenso
Lhe gaste as nódoas do terreno manto,
E purifique em tanta alteza o espírito
Com olhos imortais,
Que faz que leia mais do que vê escrito.

Luís Vaz de Camões, Ode VI
[os versos lá em cima são d'Os Lusíadas, IX, 29, 1-2]

evva

*É impressão minha ou no Ensino Básico actual quase todos os alunos têm 'dificuldades de aprendizagem', 'currículos adaptados' e outros quejandos? No meu tempo chamávamos-lhe outra coisa, repetiam o ano e ninguém ficava traumatizado. Depois queixem-se. O ensino não pode descer totalmente ao nível dos alunos, tem de estar sempre um degrau ou dois acima para ajudá-los a subir a escada de cabeça erguida.

domingo, setembro 10, 2006

A recusa do esquecimento



















É provavelmente uma das imagens mais chocantes e perturbadoras do 11 de Setembro de 2001. Não há heróis, bandeiras, grupos de pessoas a sofrer, pó, aviões, ou bombeiros. Nem as torres a arder. Apenas uma visão, quase graciosa, de alguém que sabemos que vai morrer.
A censura a esta imagem esteve na origem de um documentário do Channel 4 emitido na 2: na noite de Sábado, 9/09, que procurou entender porque é que o fenómeno dos (denominados) Jumpers foi aparentemente silenciado e progressivamente esquecido pelos media dos EUA.
No dia seguinte, a SIC Notícias emitiu um outro documentário sobre o atentado, desta vez com imagens do que se passou nos andares de baixo das torres, e onde os bombeiros tiveram de mudar o local de evacuação devido à queda destroços… e de pessoas. Jumpers não foram dez… nem onze…

Voltemos então um pouco atrás.
Pouco tempo depois do 11/09, o director do Le Monde Diplomatique, Ignácio Ramonet, falava numa conferência no Porto do paradoxo resultante da ausência de imagens das vítimas do atentado, devido a um acordo entre televisões e jornais que visava impedir a sua exploração mediática. O contraste com a exposição constante do sofrimento das vítimas dos bombardeamentos dos EUA no Afeganistão tornava possível que este último trágico e polémico acontecimento – com centenas de vítimas – fosse visto pela opinião pública de forma mais dramática do que o anterior – onde morreram vários milhares.
Parece ter havido aqui uma tentativa de conter a difusão de imagens que pudessem porventura alimentar entre a população a ideia de derrota, impotência ou invulnerabilidade. O país não podia parar, o seu desígnio não podia ser posto em causa. Fez-me lembrar o filme Dune: the spice must flow.
Mas isto não foi apenas uma orquestração. Na peça do Channel 4, alguns/as entrevistados/as indignam-se ou revoltam-se perante o suicídio e a sua difusão. Era desonra, uma morte amaldiçoada. O inferno que muitos viveram, com o fumo e o calor inimaginável, não seria razão suficiente para justificar tal decisão.

Curiosamente ou não, a falta de informação sobre o que de facto ocorreu naquele malfadado dia tem alimentado toda a espécie de teorias, a mais famosa das quais, disponível em video.google.com, coloca a administração Bush por detrás do que aconteceu. Parece haver algumas pontas soltas, a mais óbvia das quais será o ataque ao Pentágono por um avião… ou por um míssil. Mas passemos à frente.

A busca da identidade deste Jumper traz também relatos de pessoas que compreendem e aceitam que, naquela circunstância, o salto é não só o caminho para uma morte mais tranquila como também um derradeiro acto de coragem.
Parece emergir de algumas reportagens que agora aparecem uma necessidade de relembrar e repensar o que se passou. Cinco anos passados, depois do desastre no Iraque, dos ataques em Londres e em Madrid, talvez haja uma recusa do esquecimento, que confronta os EUA e os seus habitantes com a sua impotência. Mas mais ainda, que os torna iguais a todos os que aceitam a sua fraqueza e vivem com os seus fantasmas.
Talvez seja uma parte do caminho para a maturidade. Era bom que fosse.


andré

Não consigo deixar de ouvir!










It's a little device
It's a little device
Keeps you warm
Keeps you warm

It's a little surprise
Just a little surprise
To keep you calm
To keep you calm

Shadows and light
Shadows and light
I see your face on every single street

Got to get out of this place tonight
Got to get out of this way of life
Got to get out of this place tonight

It's a little device
It's a little device
Keeps you warm
Keeps you warm

Got to get out of this place tonight
Got to get out of this way of life

This life, Perry Blake, álbum California


andré

quarta-feira, setembro 06, 2006

CORAGEM!


evva

Pérolas FCT

«A descrição da metodologia podia estar descrita de forma mais explicita».

Assim mesmo, sem acento em 'explicita' e com a descrição da metodologia descrita ou por descrever, classificou o Júri FCT um projecto de Doutoramento numa área de investigação recente e cuja metodologia tem de ser criada de raiz, logo, não poderia a sua descrição ser descrita ou deixar de o ser, explícita ou explicitamente, até porque o próprio projecto inclui a construção dessa mesma metodologia.

Assim vai o Ensino Superior em Portugal.

evva

domingo, setembro 03, 2006

Imperdoável

Há já algum tempo que mo haviam recomendado. Apreciadora da escrita do autor, contava os dias que faltavam para uma amiga terminar a leitura e emprestar-mo. Ontem, finalmente, chegou-me às mãos. Li o texto da contracapa, a dedicatória, as epígrafes a recordarem-me inesquecíveis leituras. O narrador arranca com uma série de digressões aforísticas. Interessante a frase de abertura. Na segunda proposição, o sujeito 'a gente' sobressalta-me. De imediato o resto da frase cai pela escada definitivamente abaixo da minha consideração.
Se há expressão que não suporto é 'a gente' como sinónimo de 'nós'. 'A gente podia ir adorar o sol, em vez de estares aqui fechada a escrever baboseiras no computador', etc, etc. Estraga todo e qualquer discurso, qual Dão Tinto Reserva que se oferece com desvelo e que alguém coloca inopinadamente no frigorífico antes de servir.
Quando há anos trabalhei a sul, apercebi-me do uso abusivo da expressão, sobretudo aliada à forma plural do verbo. De facto, não é um sujeito que os falantes do norte utilizem com frequência. Ou utilizassem. Como em quase tudo na língua, os estranhos hábitos do sul contaminam a ancestral puridade minhota e duriense.

Fecho o livro. No Campo Alegre passa o Vera Drake. Bom filme. Terei sido a única a concordar com a sentença? Há actos que a ingenuidade ou o altruísmo desajustado não podem desculpar.

evva

quarta-feira, agosto 30, 2006

sexta-feira, agosto 25, 2006

Quando for grande quero ser assim




"And I'm very dubious about trying to produce students who are going out and change the world. I'm very anti-authoritarian about it. I'm not interested in disciples; I don't want people to be like me. I'm interested in people who are different."

"Power, Politics and Culture - interviews with Edward W. Said". Vintage Books. New York. Pag. 63.


andré

domingo, agosto 20, 2006

Sinais de Esperança…

(produzido a partir de excertos - em itálico - da coluna semanal Ponto de Vista, de Jorge Almeida Fernandes, publicada no passado dia 21 de Agosto no Público, com o título "Israel Analisa-se")

Depois do fiasco no Líbano, Israel debate os erros. Tudo é posto em causa, a doutrina militar, a política palestiniana, as relações regionais. Se o Hezbollah surpreendeu Israel, Israel passou agora a conhecê-lo. É uma questão de sobrevivência.


Para começo não está mau.

Um analista lembrou que Israel não ganha uma guerra desde 1967: teve uma vitória parcial em 1973, atolou-se na Intifada e falha agora no Líbano.


Esta é que eu não sabia.

Os próximos meses assistirão a um provável terramoto político. "É o princípio de uma nova era, se Israel reconhecer a tempo que tem de pagar o preço de uma repetida cegueira", escreve o jornalista Gideon Samet.

Cegueira. Ora aí está. Talvez seja melhor escrever as próximas resoluções da ONU em Braille…

[o historiador Zeev] Sternhell afirma que "o fracasso não foi da elite cultural ou dos valores de sociedade aberta. Não houve falta de devoção, espírito de combate e voluntarismo, qualidades características dum israelita em uniforme. O que faltou foram políticos com estatura e meios adequados de acção."

De facto, primeiros-ministros com estatura, desde Rabin, não tenho conhecimento de ter havido algum.

Os analistas militares, muitos deles oficiais na reserva e veteranos dos serviços secretos, criticam os conceitos estratégicos. Desde a aposta na guerra aérea e tecnológica ("à moda da NATO no Kosovo") ao desprezo pelo adversário, que levou às "surpresas" do Hezbollah, como os seus mísseis antitanque.

E eu a pensar que ninguém era suficientemente ingénuo para imitar os americanos. Para quem tem a reputação de ter um dos melhores exércitos (e serviços secretos) do mundo, esta notícia desilude-me profundamente.

Fala-se no desgaste das tropas de elite em anos de combate de rua na Intifada: "À força de jogar contra más equipas, mesmo as boas equipas vêem o seu nível baixar."


Quanto a isto não há problema. Contrata-se o José Mourinho. Ele até já esteve em Israel e deve ter ficado com a noção exacta do problema.

É posta em causa a doutrina da "alavanca", o uso de alta violência contra os palestinianos para os convencer de que nada obterão pela violência, explica o general Gal Hirsh. Ao fim de cinco anos, os militares fazem o balanço: os palestinianos moderados foram marginalizados e o Hamas ganhou as eleições. No Líbano, foi usado o mesmo princípio e o exército queixa-se agora de perder a "guerra das relações públicas" e de ver os libaneses solidarizarem-se com o Hezbollah.

Pois. Digamos que, tirando os Israelitas e os americanos, já todo o mundo tinha percebido isto.

Há uma gravíssima responsabilidade dos políticos, de Ehud Olmert a Amir Peretz: não fizeram as devidas perguntas. Se a guerra era inevitável, Israel caiu numa armadilha.


Pois caiu e agora o mundo inteiro tem de ajudar Israel a sair dela. Bonito serviço.

O general Uri Saguy, ex-chefe das informações militares, declarou ao Le Monde: "Esta guerra deveria levar os nossos dirigentes a compreender os limites da força e a necessidade de um acordo político regional. Os que têm uma visão binária, que dividem o mundo entre bons e maus, apenas sabem semear a guerra e a desestabilização da região."


Essa dos bons e dos maus era uma indirecta para o Bush, não era?…

O "falcão" Efraim Halevy, antigo chefe da Mossad, propõe uma negociação com o Hamas e critica a sua ostracização. Não interessa que o Hamas reconheça Israel, interessa sair dos territórios, deixar para mais tarde a paz e negociar um statu quo que garanta a segurança e afaste o Hamas sunita do Hezbollah xiita. O "campo da paz", esse quer aproveitar a "oportunidade" para avançar uma solução global.


As aves de rapina têm de facto uma visão muito apurada. Temos de as respeitar e dar-lhes razão quando a têm.

andré

segunda-feira, agosto 14, 2006

Triangulo das virtudes




Nos dois últimos episódios da série "Os homens do presidente" (West Wing), emitida no AXN, discutia-se se na política externa norte americana devia estar contido explicitamente o direito de intervenção em situações de tirania mesmo que não afectassem os interesses do país. Um lado a favor da defesa de povos, o outro a favor da autoingerência e a pensar nas consequências óbvias que tal política traria para a análise de outras situações onde não fosse tão clara a tirania ou a ameaça de povos indefesos.

Ontem à noite, a 2: emitiu um documentário sobre Fidel Castro, onde retratava como foi e tem sido capaz de se manter (quase) independente à influência norte americana, embora muito à custa da limitação dos direitos dos cidadãos do seu país. Mas mesmo assim, eis que aos 80 anos "el Castro" ainda se mantém (vamos a ver até quando) como o pilar, o farol de um povo que parece ter com ele uma relação similar à que tivemos com Salazar durante mais de 40 anos.

No final da passada semana, Kofi Anan, num discurso eloquente e preciso, defendia que a acção militar não fazia parte das soluções para o conflito entre Israel e o Hezbollah, mas representava sim uma falta de imaginação e de capacidade dos líderes para encontrarem outras soluções.
Após diversos encontros, eis que sai a resolução: a guerra acabava hoje pelas 00h50. Entretanto, entre a aprovação da resolução e o “fim” das hostilidades ainda houve tempo para mais umas bombas israelitas e uns katiucha do Hezbollah.

Creio que nunca como antes o mundo esteve tão cheio de referências ambivalentes e de realidades indefinidas. O inundar de informação e o consequente aumento da variedade das suas fontes coloca-nos numa situação difícil em que nos questionamos constantemente sobre quem tem ou não razão.

Acredito que não é fácil ser dono do mundo nem desistir dos sonhos e dos ideais em que acreditamos, contudo, ainda não encontrei desafio mais árduo e estimulante do que manter a paz e tentar fazer com que as pessoas se entendam, respeitando diferenças e pontos de vista. É esse para mim o grande desígnio que os EUA nos trouxeram mas que agora se vêem incapazes de defender. Tal como Fidel, eles perderam toda a sua credibilidade.

Perante isto, continuo a encontrar inspiração e consolo (embora pouco) naquele africano de cabelos grisalhos que insiste (embora não por muito mais tempo) em defender o primado do equilíbrio e da justiça entre nações.
Não, não é nenhum salvador. Mas lá está, não acredito em milagres.


andré

Girassol



Não te surpreendas amigo se nada mais desejo.
Preciso do tempo todo para seguir o sol.

Angelus Silesius (1624-1667)

[evva]

sexta-feira, agosto 11, 2006

No centro comercial

"Vejo que os consumidores se deslocam sós, esporadicamente em pares, tal qual os doentes do hospital Júlio de Matos. Depois de várias voltas tenho a sensação de circular num espaço de internamento.
Cruzo-me sucessivamente com os mesmos embrulhos das mesmas pessoas. Todos girando à volta, como num carrocel. O centro comercial não tem janelas e apenas duas portas convidam à saída. A uniformidade das paredes homogeniza o espaço, tenho a sensação de circular num labirinto que nos faz perder. Provavelmente estamos perante estratégias de arquitectura que levam os consumidores a circular sem terem a consciência da passagem do tempo, até porque não se encontram relógios. (...)
Observo o olhar de desespero de alguns consumidores, carregados de embrulhos como se fossem árvores de Natal. Não me parecem felizes, avaliando os sobrolhos carregados. À semelhança dos manicómios, os "shoppings" são instituições por onde circulam fantasias e delírios. A diferença é que, neste caso, elas giram em torno do consumo. Nos manicómios o delírio é a doença, nos "shoppings" não é.
Pela mesma lógica, a sociedade não é olhada como doente uma vez que - provável razão - ela é norma. Os desvios comprovam a norma, embora raramente se reconheça que aqueles derivam desta. E mais, a norma sobrevive pela recorrência dos desvios.
Passo ao lado de uma livraria, olho de relance para a montra e fico a pensar na fragilidade da nossa sociedade quando observo a quantidade de livros que apontam caminhos para a felicidade. Caminhos discutíveis pois sugerem um aprisionamento dos leitores a uma imperativa necessidade de auto-ajuda, auto-realização, autocontrolo, autoconfiança, autodefesa, autoestima, autodeterminação, eu sei lá que mais."
In "Nos Rastos da Solidão", José Machado Pais.

Excerto publicado na revista de domingo do Público em 26/07/2006, a propósito de uma entrevista com o autor, intitulada "A solidão é normal?"

andré

Onde está o Hizbullah?



Parece que o Hizbullah está aqui. No Uncle Deek, onde se bebe um nescafé fora de horas em Beirut. Espera, espera, que há um bairro xiita escondido atrás do Uncle Deek! Os katiucha devem estar escondidos nas máquinas do café e quanto aos Raad, menos discretos, devem estar na arrecadação ao lado das casas de banho. Só pode...

Norma

domingo, julho 30, 2006

Acabei de ler Orientalismo…



Desde que, por alturas do 11 de Setembro, soube da existência deste livro, através de uma entrevista com o autor no Público, que me ficou a vontade de o ler. Hoje terminei-o.
É sempre um motivo de regozijo quando uma obra me põe a pensar sobre as coisas e sobre a sua origem. Essa é, para mim, a sua grande virtude. Porque não é apenas a complexidade do problema que se torna relevante mas também a metodologia utilizada que vai, ela própria, influenciar a leitura e compreensão da tese que se visa defender.

Não posso deixar de manifestar alguma raiva perante o facto de o autor deste livro se ver na necessidade de produzir uma obra tão extensa e tão profunda para tornar inteligivel uma ideia que fica, para alguns, clara logo nas primeiras páginas. Não porque não seja necessário faze-lo mas porque só assim se consegue ser respeitado num ambiente onde as ideias dominantes são diferentes daquelas que o livro defende.

Resumindo e concluindo, é como se, para contrariar um discurso tão simples como o de George Bush em torno do "Eixo do Mal", um intelectual nos dias de hoje, tivesse que escrever um livro de 400 páginas em torno das assumpções que estão detrás da política externa americana em geral, e desta administração em particular. E porque bombardear a Casa Branca está fora de questão.

andré


PS: Para os que se sentem à vontade no inglês, recomendo esta edição de 2003 da Vintage Books que tem um novo prefácio do autor e mantém o epílogo de 1994. De qualquer forma, o livro foi editado em português pela Cotovia em 2004.

… e deixei de assinar o Economist





Sempre preferi as experiências orientadas, que visam a autonomia e a independência intelectual de cada um. Infelizmente esta não é a vocação desta respeitada revista semanal cuja honestidade e rigor respeito e admiro. Por outro lado, é cada vez mais claro para mim que a Economia não é (nem alguma vez terá sido) o principal orientador da vida dos países e das pessoas. Enfim… tenho de procurar um subsituto. Se alguém quiser dar uma ajuda…

andré

sábado, julho 29, 2006

Eu bem me parecia…

"O cristão e o comunista são muito próximos em muitos aspectos só que o cristão tá pensando nessa vida maravilhosa após a morte e o comunista quer ver essa vida aqui, agora."

Lenine (o músico) , em mais uma entrevista Pessoal e Transmissivel de Carlos Vaz Marques na TSF, disponivel em Podcast em http://www.lusocast.com ou http://www.tsf.pt


andré


PS: O meu pai dizia que Jesus tinha sido primeiro comunista na terra. A partir de determinada altura, eu passei a perguntar-me se não seriam os comunistas os apóstolos da nossa contemporaneidade. Aquela frase do Marx de que a religião era o ópio do povo devia ser um recalcamento qualquer.

quinta-feira, julho 27, 2006

Joana & Michel

(na manifestação contra a guerra israelo-libanesa, ontem, no Porto;
foto publicada no JN de hoje)

Há meses que acompanhamos este amor lindo, que sofremos com eles a angústia da separação e da distância, que seguimos com ansiedade as notícias que se sucederam aos primeiros bombardeamentos, no dia exacto em que Michel concluía o seu Master of Philosophy na Universidade Americana de Beirute, que vivemos o desespero da Joana enquanto o Michel não conseguia fugir de Beirute, que partilhamos as lágrimas de alegria quando o soubemos são e salvo em Amã, que ouvimo-lo horrorizado relatar, quando finalmente aterrou no Porto, como um helicóptero israelita sobrevoou a sua vizinhança, na zona cristã de Beirute, e muito perto de sua casa disparou três mísseis na direcção do porto de Beirute e se retirou lentamente e foi bombardear um aquartelamento do exército libanês, «como se fosse a coisa mais natural do mundo», que escutamos com um nó na garganta o relato extraordinário da sua fuga por estradas secundárias constantemente bombardeadas pela aviação israelita, «o taxista conduzia em semi-círculos sem praticamente olhar para a estrada, com os olhos fixos no céu a observar o movimento dos aviões israelitas e a direcção dos mísseis», e, por muito que discordemos da legenda do cartaz, não conseguimos deixar de sentir um grande orgulho e de torcer para que o Michel possa voltar quanto antes para o país a desmoronar-se que deixou para trás ou que a sua família possa sair pacificamente do Líbano para visitar este país à beira-mar alheado e regressar à Beirute natal sem nada temer. Porque, ao contrário do que por aí se apregoa, há libaneses que odeiam visceralmente o Hezbollah e a Síria, por muito que a imagem permita conjecturar o oposto.

evva e mariaşi

O medo da novidade

"Os povos têm um instinto que tenta impedir que não se desvirtue aquilo que amam. Quando vêem que coincide com a sua alma, então aceitam-no."

Horácio Ferrer a propósito das inovações introduzidas no Tango por Astor Piazzolla, em mais uma entrevista Pessoal e Transmissivel de Carlos Vaz Marques na TSF, disponivel em Podcast em http://www.lusocast.com ou http://www.tsf.pt


andré

segunda-feira, julho 24, 2006

Todos muito zangados, árabes e não só


Tem sido dificil arranjar tempo para escrever alguma coisa sobre o que se está a passar no médio oriente, ou melhor dizendo sobre a agressão bárbara e repugnante que Israel (se não com o apoio declarado dos States, pelo menos com a sua conivência) mantém sobre o Libano.

À falta de palavras minhas ou do Michel, reencaminho-vos para este blog: http://angryarab.blogspot.com/

E fica a promessa de comentar o assunto em breve.

Joana

quarta-feira, julho 19, 2006

A legitimação da violência

Na passada segunda-feira, enquanto antecipava os títulos dos jornais britânicos do dia seguinte, a estação televisiva SKY News destacava a foto do jornal inglês The Guardian que descrevia de forma impressionante a devastação que a força aérea israelita tinha causado em Beirute, a capital do Líbano. Na tarde do dia seguinte, a mesma estação cobria o sofrimento da mãe de um dos soldados israelitas raptados e destacava os mortos no ataque do dia anterior à estação de comboio de Haifa, bem como o ambiente de tensão e de medo que se vivia naquela cidade, que pelas imagens parecia ainda de pé.

Na terça-feira vi o presidente da Comissão Europeia a pedir ao Hezbollah, mas não a Israel, o cessar imediato da sua actividade militar. Vi o jornal Público a fazer manchete com o ataque à estação de comboio de Haifa e a deixar para segundo plano a destruição do Líbano, e vi eurodeputados do PS, do BE, e da CDU a exigir uma posição da UE contra o ataque de Israel, enquanto o deputado do PSD, um respeitado intelectual, defendia a posição vigente.

Hoje, quarta-feira, o primeiro-ministro britânico afirmou no parlamento que enquanto as condições obrigatórias para o cessar fogo (de Israel) não estiverem cumpridas, ou seja enquanto o Hezbollah não parar a sua acção militar, nada de novo vai acontecer, ou seja, Israel não vai ter de parar os bombardeamentos.

Esta situação é aparentemente simples para muitos dos que estão a ler este texto, pois Israel é a vítima óbvia de uma organização terrorista que todos condenamos. Israel representa para muitos um pedaço do Ocidente (seja lá o que isso for) no meio de um conjunto de Estados subdesenvolvidos que representam ou estão associados ao Eixo do Mal (?!…).

A agressão de Israel não é terrível apenas pela enorme desproporcionalidade de recursos militares, ou pelo ataque a bairros cristãos, ou pelo morte de civis, ou pela devastação de um país que já estava a conseguir dar a volta por cima depois de uma guerra longa.
O que choca é que estes ataques fazem parte de um projecto militar de larga escala a partir do qual o Estado Judaico pretende eliminar todas as potenciais ameaças à sua existência. E porquê? Talvez porque o seu principal aliado, os EUA, pense da mesma forma em relação à sua política externa. É pra deitar tudo abaixo! Iraque, Líbano, quem sabe até o Irão e a Coreia do Norte e, se for necessário, a Síria.

Quanto à foto do The Guardian, talvez fique no top do ranking de um qualquer concurso internacional de fotojornalismo onde será abraçada com choque e muita admiração.

Já agora, e para que se saiba, há cerca de 300 mortos libaneses. Israelitas cerca de 25. Israel ainda está de pé. O Líbano já não.

andré

terça-feira, julho 18, 2006

Boa sorte Israel…

Caro/a leitor/a,

Peço-lhe o favor de me acompanhar neste raciocínio:

1. O Estado de Israel existe e assim vai continuar, por muitas e variadas razões, e não estou em crer que nenhuma força seja capaz de o destruir. Actualmente, o seu primeiro ministro está preso a uma politica que nada trará de bom para o seu país, oriunda de um homem que já nem sequer existe politicamente.
2. Os movimentos terroristas que surgiram contra Israel vão continuar a existir, por muitas e variadas razões, enquanto o mote da sua existência se mantiver e, sobretudo, enquanto a revolta das populações contra os actos de Israel lhes continuar a garantir novos militantes e recursos para combater. A vitória do Hamas e do Hezbollah em eleições democráticas aparece porque, por muito que nos choque, quando estamos entre a parede e o abismo escolhemos a segunda alternativa.
3. Os EUA vão continuar a apoiar Israel, por muitas e variadas razões, mas vão tentar acalmar o Médio Oriente por forma a não aumentar ainda mais a desgraça que criaram no Iraque onde o resultado foi o aumento do poder e influência de toda a corrente radical anti-americana (eu arrisco dizer anti-ocidental). Creio que depois de duas torres, os rapazes não aguentariam ver um avião ou um qualquer engenho explosivo deitar abaixo mais um símbolo do seu país e da sua cultura.
3. A Rússia e a China não têm muito que dizer a não ser que ninguém pode fazer mal ao Irão, pois afinal ele fornece petróleo e sabe-se lá mais o quê, recebe o dinheiro e não faz perguntas.
4. O primeiro ministro Iraniano continua a berrar mais alto do que a elite religiosa do seu país contra os Americanos e contra Israel, o que lhe dá popularidade e força política, uma vez que, para o manterem sossegado, os clérigos Iranianos alguma coisa lhe terão de dar em troca. Convenhamos, ninguém no Irão quer uma guerra contra os Americanos ou contra Israel.
5. A Europa está entalada entre o dever de solidariedade aos Americanos e Israelitas e o dever de cordialidade aos Chineses e aos Russos.
6. A ONU nada mais pode fazer, pois o Conselho de Segurança está preso perante este exercício global de Real Politik.

Num ambiente de cortar a respiração, uma solução da paz negociada podia ser aquilo que todos queriam, mas a memória recente do destino de Yitzhak Rabin elimina toda a esperança de que a paz possa surgir, quanto mais sobreviver, a partir de Israel.

A pergunta que fica é: quantos mais Líbanos terão de ser destruídos até que a paz possa regressar, nem que seja só por um bocadinho?

andré


PS: na passada sexta-feira, dia 14, no Expresso da Meia-Noite da SIC Notícias, a prof.ª Manuela Franco dizia que talvez o problema esteja na assumpção ocidental de que o conflito Israelo-Árabe se tem de resolver…
Tal como a droga, a prostituição, e outros males endémicos do nosso mundo, este parece ser um problema com o qual se tem de ir lidando. É triste não é?

segunda-feira, julho 17, 2006

Ah, Zizou!




(via Tomar Partido)

evva

Autre éventail

(El Abanico Rojo, Soledad Fernandez)

[Eis um poema da mulher de Mallarmé dedicado ao mais precioso dos objectos. É o próprio 'éventail' que aqui assume a voz, desejando que a sua interlocutora não cesse de agitá-lo e com ele 'frissonner l'espace', que se anima graças ao seu movimento contínuo. É o que mais precisamos neste momento, que uma frescura de crepúsculo nos beije. Incessantemente. ]

O rêveuse, pour que je plonge
Au pur délice sans chemin,
Sache, par un subtil mensonge,
Garder mon aile dans ta main.

Une fraîcheur de crépuscule
Te vient à chaque battement
Dont le coup prisonnier recule
L'horizon délicatement.

Vertige! voici que frissonne
L'espace comme un grand baiser
Qui, fou de naître pour personne,
Ne peut jaillir ni s'apaiser.

Sens-tu le paradis farouche
Ainsi qu'un rire enseveli
Se couler du coin de ta bouche
Au fond de l'unanime pli!

Le sceptre des rivages roses
Stagnants sur les soirs d'or, ce l'est,
Ce blanc vol fermé que tu poses
Contre le feu d'un bracelet.


Madame Mallarmé


[evva]

domingo, julho 16, 2006

MES DAMES ET MESSIEURS, THE 2006 SUMMER HIT:

Qual Floribela, qual carapuça! Qual GNR, qual inferno reciclado! A música de Verão c'est La Danse du Coup de Boule. As rádios portuguesas, habitualmente vendidas às editoras, ainda não o descobriram, mas na blogosfera não pára de tocar. Para ouvir e dançar sem descanso. À sombra.

LA DANSE DU COUP DE BOULE
(clicar para ficar viciado)


Coup de boule, coup de boule
Coup de boule à droite
Coup de boule, coup de boule
Coup de boule à gauche
Allez les bleus!
Allez!

Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule

Le rital il a eu mal
Zidane il a frappé
L'italien ne va pas bien
Zidane il a tapé
L'arbitre l'a vu à la télé
Zidane il a frappé
Mais la coupe on l'a ratée
On a quand même bien rigolé

Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé

Trézéguet n'a pas joué
Quand il a joué il a raté
Il a tout fait capoter
La coupe on l'a ratée
Barthez n'a rien arrêté
C'est pourtant pas compliqué
Les sponsors sont tous fâchés
Mais Chirac a bien parlé

Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Coup de boule
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé

Attention, c'est la danse du COUP DE BOULE!

Coup de boule, coup de boule
Coup de boule à droite
Coup de boule, coup de boule
Coup de boule à gauche
Coup de boule, coup de boule
Coup de boule avant
Coup de boule, coup de boule
Coup de boule arrière
Coup de boule, coup de boule
Et maintenant penalty
Attention il va tirer1, 2, 3,
c'est raté!

Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé
Zidane il a frappé, Zidane il a tapé

On a quand même bien rigolé
Zidane et Trézéguet
La coupe on l'a ratée
Zidane et Trézéguet
On a quand même bien rigolé
Zidane et Trézéguet
La coupe on l'a ratée
Zidane et Trézéguet
Et Trézéguet
Et Trézéguet
Et Trézéguet, guet, guet
Et Trézéguet
Coup de boule, coup de boule
Et Trézéguet
Coup de boule, coup de boule
Et Trézéguet
Coup de boule, coup de boule
Et Trézéguet
Coup de boule, coup de boule
Guet, guet
Et Trézéguet

(via ::::autopsicografia:... Merci, Mariana!)

evva

quinta-feira, julho 13, 2006

Which Horrible Affliction are you?

[Um dia ainda vou conseguir perceber como é que estes inquéritos acertam sempre...]

Congratulations, you're rabies!
Transmitted by rabid animals, you're most commonly found infecting creatures such as raccoons, skunks, bats and foxes. But don't worry, you affect humans too, causing either paralysis or hyperactivity in your advanced stages, and ultimately death.
Your most famous symptom is hypersalviation - that delightful foaming at the mouth that we have come to know and indeed love. However, you can also cause hallucination; think of the fun you could have at parties!
If you wish, you can proudly tell the world that you kill dogs with the following fine graphic:

I am Rabies. Grrrrrrrr!
Which Horrible Affliction are you?

evva

quarta-feira, julho 12, 2006

Saudades

O Tour chegou hoje a Pau, a mais bonita cidade em que vivi:


E eu sem um canalzinho cabo que fosse para matar saudades destes recantos. A fonte Vigny no Boulevard des Pyrénees era um dos meus preferidos:


Morei os primeiros meses, de Outubro a Fevereiro, na rue du Parlement, em pleno Quartier du Château onde nasceu Henri IV, o tal que conclui que 'O meu reino vale bem uma missa' e se converteu para poder subir ao trono de França:

Em pleno Quartier du Château. O restaurante da esquerda é o 'Reine Margot', que também enlouqueceu por aqui. Viram o filme de Patrice Chéreau?


O Parc Beaumont. Ainda me lembro de andar por aqui a cantarolar a Carmen, numa altura em que estudava a novela de Prosper Mérimée em que Bizet se inspirou.


Até sempre.

evva

Sem perdão

Até eu era incapaz de me ficar se ouvisse uma coisa destas. Estás desculpado, Zizou. On t'aimera pour toujours.

evva

(via nortadas)